Jornal do Commercio
Notícia
STF

Gilmar troca prisão de doleiro foragido no Uruguai por fiança de R$ 3 milhões

Caso pague a quantia, o doleiro não poderá deixar o país, nem entrar em contato com outros investigados

Publicado em 08/06/2019, às 13h10

Prisão do doleiro foi fruto da Operação Câmbio, Desligo / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Prisão do doleiro foi fruto da Operação Câmbio, Desligo
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, impôs ao doleiro Francisco Melgar, conhecido como Paço, fiança de R$ 3 milhões, no âmbito da Operação Câmbio, Desligo. Ele estaria foragido no Uruguai, segundo consta nos autos. Caso pague a quantia, não poderá deixar o país, nem entrar em contato com outros investigados. O ministro acolheu pedido do advogado Eric Cwajgenbaum de Santis Silva.

A Câmbio, desligo foi deflagrada em 3 de maio contra um 'grandioso esquema' de movimentação de recursos ilícitos no Brasil e no exterior por meio de operações dólar-cabo, entregas de dinheiro em espécie, pagamentos de boletos e compra e venda de cheques de comércio.

A delação dos doleiros Vinícius Vieira Barreto Claret, o Juca Bala, e Cláudio Fernando Barbosa, o Tony, resultou na operação. Ambos trabalhavam em esquema que envolvia o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB) e revelaram a existência de um sistema chamado Bank Drop, composto por 3 mil offshores em 52 países, e que movimentava US$ 1,6 bilhão.

Um dos alvos da 'Câmbio, desligo' é Paço. Segundo Gilmar, o 'núcleo deste recurso ordinário em habeas corpus, portanto, é a controvérsia acerca da possibilidade de revogação da prisão, ou sua substituição, quando foragido aquele contra quem o mandado foi expedido'.



Justificativa

Gilmar ressalta que a 7ª Vara Federal Criminal do Rio, do juiz Marcelo Bretas, 'já teria entendido pela desnecessidade da prisão preventiva e a restabeleceu apenas depois de provocado pelo Ministério Público, motivado pelo fato de que o paciente estaria no Uruguai'.

"Ocorre que ambas as Turmas desta Corte têm rejeitado o fundamento adotado pelo Juízo de piso, que considerou a suposta fuga do paciente como obstáculo à substituição da prisão preventiva", escreveu.

"Desse modo, se já reconhecida, pelo próprio juiz da causa, a desnecessidade da prisão preventiva, pois ele próprio a substituiu por outras medidas cautelares, não pode ela subsistir apenas porque o paciente estaria foragido", concluiu.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM