Jornal do Commercio
Notícia
VAZA JATO

OAS assumiu obra deficitária na Bolívia por exigência de Lula, apontam mensagens

Empreiteiro afirma que Lula articulou financiamento do BNDES com o país

Publicado em 16/09/2019, às 08h20

Petista disse que o presidente boliviano estaria disposto “a compensar economicamente a empresa
Petista disse que o presidente boliviano estaria disposto “a compensar economicamente a empresa"
Foto: Nelson Almeida/AFP
JC Online

O empreiteiro Léo Pinheiro, ao negociar acordos de delação premiada, mencionou o ex-presidente Lula (PT) como um intermediador de negócios entre a OAS e os governos da Costa Rica e do Chile. Com o intuito de agradar o então presidente, a construtora ainda teria assumido uma obra deficitária na Bolívia.

As conversas entre procuradores da Operação Lava Jato foram divulgadas pela Folha de S. Paulo e obtidas pelo site The Intercept Brasil através de uma fonte anônima.

Segundo Léo Pinheiro, o petista queria evitar um estremecimento entre o Brasil e o governo de Evo Morales, presidente da Bolívia. A obra era a construção de uma estrada entre as cidades de Potosí e Tarija, e havia sido iniciada em 2003 pela Queiroz Galvão. Porém, a empresa se envolveu em uma disputa com o governo de Morales, que cobra a reparação de fissuras em pistas recém-construídas, e rompeu o contato em 2007.

O empreiteiro diz que Lula articulou financiamento do BNDES no país e prometeu à OAS um outro contato na Bolívia para compensar o projeto emblemático. De acordo com Léo Pinheiro, o impasse proporcionava ‘riscos diplomáticos’ para o Brasil. Após a paralisação da obra, diversos protestos foram realizados no país vizinho.



Compensação

Pinheiro afirma ter dito a Lula, em encontro em data não informada, que a obra era deficitária, diante dos trechos que precisariam ser consertados e dos preços previstos. O relato diz que a resposta do petista foi que o presidente boliviano estaria disposto “a compensar economicamente a empresa, adjudicando um outro contrato em favor da OAS”.

Segundo o depoimento, a Bolívia retirou sanções impostas à Queiroz Galvão e licitou um outro trecho no qual a OAS foi vencedora. A empresa assumiu a obra em 2009 e, no governo Dilma Rousseff (PT), a situação desandou, quando a área técnica do BNDES pôs bloqueios ao financiamento.

O contrato foi, então, cancelado pela Bolívia e restou à OAS negociar para retirar os equipamentos e obter uma devolução de garantias, “após apelos de Lula”. A construção da estrada, de 340 km, despertou controvérsia na política local. Ainda no ano passado, por exemplo, um senador pediu acesso a dados, como contratos, da obra. O custo total foi estimado pela Bolívia na década passada em US$ 226 milhões (atualmente, em torno de R$ 925 milhões).




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM