Jornal do Commercio
Notícia
VAZAMENTO

Lava Jato usou provas ilícitas para prender futuros delatores, indicam mensagens

Procuradores usaram provas apuradas no exterior sem acordos com a justiça brasileira, prática considerada ilegal

Publicado em 27/09/2019, às 09h06

Após ser alertado pela prática ilícita, Deltan Dallagnol afirmou ser 'natural tomar algumas decisões de risco calculado em grandes investigações' / Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Após ser alertado pela prática ilícita, Deltan Dallagnol afirmou ser 'natural tomar algumas decisões de risco calculado em grandes investigações'
Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
JC Online

Diálogos atribuídos a procuradores da Lava Jato entre os anos de 2015 a 2017 indicam que a força-tarefa contatou informalmente autoridades da Suíça e de Mônaco para obter provas ilícitas com o intuito de prender alvos considerados prioritários: executivos de empreiteiras que cumpriam prisão preventiva, e futuros delatores.

As mensagens divulgadas nesta sexta-feira (27) foram recebidas anonimamente pelo site The Intercept Brasil e analisadas em conjunto com o portal UOL.

Mesmo alertados sobre a violação das regras, os procuradores tiveram acesso a provas ilegais sobre importantes delatores da Lava Jato, como o então presidente da Transpetro, Sérgio Machado, além de executivos da Odebrecht, entre eles, o ex-presidente da empresa Marcelo Odebrecht e os então diretores da Petrobras, Paulo Roberto Costa e Renato Duque.

Especialistas ouvidos pela UOL explicam que provas obtidas por fora do canal oficial em acordos de cooperação internacional de investigação constituem provas ilegais e podem levar à anulação de processos. 

Já a operação sustenta que "a troca de informações de inteligência e a cooperação direta entre autoridades estrangeiras é absolutamente legal e constitui boa prática internacional". A força-tarefa afirma ainda que "nenhum documento foi utilizado judicialmente pela força-tarefa da Lava Jato sem ter sido transmitido pelos canais diplomáticos oficiais".

Práticas

Entre as práticas identificadas, está o acesso, a partir de procuradores suíços, ao sistema Drousys, usado pela Odebrecht para controlar pagamentos de propinas a autoridades e políticos, quase um ano antes de a Lava Jato estar apta para utilizar formalmente os dados entregues pela construtora.



Os diálogos ainda apontam que o chefe da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, fez uso de prova ilícita no pedido de prisão de Renato Duque em março de 2015, obtida junto a autoridades de Mônaco.

Após ser alertado sobre a prática pelo procurador Vladimir Aras, cinco dias antes de Sergio Moro decretar a prisão, Dallagnol justificou: "É natural tomar algumas decisões de risco calculado em grandes investigações".

Em novembro de 2014, Deltan trouxe a uma reunião entre os suiços e a força-tarefa um pen drive, sem registro oficial, que continha informações bancárias de Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras e um dos primeiros delatores importantes da operação.

Conforme trazido pelo UOL, a legislação brasileira obriga que sejam firmados acordos cooperativos internacionais em matéria penal para que as investigações possam utilizar informações apuradas no exterior.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM