Jornal do Commercio
Notícia
VAZAMENTOS

STF vai acionar PGR para validar mensagens sobre Lava Jato

A consulta à PGR será do tribunal será feita por meio do ministro Gilmar Mendes, que conta com o apoio de outros magistrados da corte nos bastidores

Publicado em 04/10/2019, às 08h05

Em junho, Gilmar disse que o fato de as mensagens possivelmente terem sido obtidas de forma ilegal
Em junho, Gilmar disse que o fato de as mensagens possivelmente terem sido obtidas de forma ilegal "não necessariamente" anula o seu uso como prova
Foto: Nelson Jr./SCO/STF
JC Online
Com informações da Folha de S.Paulo

O Supremo Tribunal Federal (STF) irá acionar a Procuradoria-Geral da República(PGR) para verificar a autenticidade das mensagens envolvendo membros da Força-Tarefa da Operação Lava Jato obtidas e divulgadas pelo site The Intercept Brasil em parceria com outros veículos. As informações são da Folha de S.Paulo.

A consulta à PGR será do tribunal será feita por meio do ministro Gilmar Mendes, que conta com o apoio de outros magistrados da corte nos bastidores.

Caso a veracidade dos arquivos seja confirmada, estes poderão ser usados em processos com eventuais impactos sobre decisões judiciais e agentes públicos que atuaram na operação iniciada em 2014.

As mensagens trocadas pelo aplicativo Telegram começaram a ser divulgadas no começo de junho deste ano e mostram a proximidade entre o coordenador da Lava Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, e o então juiz Sergio Moro, que teria orientado investigações da operação por meio das mensagens.



Gilmar decidiu enviar ofício à PGR solicitando que a instituição analise indícios de desvios funcionais de membros do Ministério Público após fazer críticas aos métodos da Lava Jato, na sessão do STF na quarta-feira (2).

Na reunião, o subprocurador-geral Alcides Martins aconselhou Mendes a " encaminhar esses elementos à Procuradoria-Geral para que fossem avaliados por quem é de direito, porque o que referiu é de extrema gravidade", o que foi acadado pelo ministro.

Mensagens como provas

Ainda em junho, Gilmar Mendes afirmou que o fato de as mensagens divulgadas pelo The Intercept Brasil possivelmente terem sido obtidas de forma ilegal "não necessariamente" anula o seu uso como prova.

Gilmar usou como o exemplo um condenação por assassinato para justificar sua visão. “Não necessariamente [anula]. Porque se amanhã [uma pessoa] tiver sido alvo de uma condenação por exemplo por assassinato, e aí se descobrir por uma prova ilegal que ela não é autor do crime, se diz que em geral essa prova é válida”, disse Mendes.

À época, a opinião de Gilmar era acompanhada por ao menos outros 2 dos 11 ministros na Corte, nos bastidores do Supremo.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM