Jornal do Commercio
Notícia
Mudou o entendimento

Em decisão que pode soltar Lula, STF veta prisão após condenação em segunda instância

Prisão após condenação em segunda instância é considerada um dos pilares da Operação Lava Jato

Publicado em 07/11/2019, às 21h34

Este foi o terceiro dia de sessões sobre o tema; Dias Toffoli deu o voto de 'minerva' / Foto: Carlos Moura/STF
Este foi o terceiro dia de sessões sobre o tema; Dias Toffoli deu o voto de 'minerva'
Foto: Carlos Moura/STF
Editoria de Política
Com Agência Brasil e Estadão Conteúdo

Atualizada à 0h26 do dia 8/11/19

O Supremo Tribunal Federal (STF) mudou o entendimento sobre condenação em segunda instância. O presidente da Suprema  Corte, ministro Dias Toffoli, foi o responsável, na noite desta quinta-feira (7), pelo voto de minerva e consolidou que a partir de agora a pena do condenado só pode começar a ser cumprida quando a defesa esgota seus recursos nas recorrências aos tribunais. Ou seja, na prática, a partir de agora, fica impedido o início do cumprimento da pena somente com a condenação em segunda instância. A decisão pode soltar o ex-presidente Lula, preso desde 7 de abril de 2018, na seda da Polícia Federal, em Curitiba. O petista cumpre pena por corrupção e lavagem de dinheiro no caso triplex de Guarujá, na Lava Jato.

>> Defesa de Lula vai apresentar pedido de imediata soltura nesta sexta

>> Força-tarefa da Lava Jato em Curitiba diz que decisão do STF é dissonante

>> Presidentes da Câmara e Senado rejeitam votar revisão da segunda instância

>> Mesmo solto, Lula não será candidato, mas poderá fazer campanha

>> 'Amanhã eu vou te buscar! Me espera', diz Janja, a namorada de Lula

Após mais de sete horas de debate, Dias Toffoli deu o voto decisivo e disse: "Não é a prisão após segunda instância que resolve esses problemas (de criminalidade), que é panaceia para resolver a impunidade, evitar prática de crimes ou impedir o cumprimento da lei penal”.

 

Esta foi a terceira sessão da Corte sobre o tema, julgamento foi iniciado desde o dia 17 de outubro deste ano. O resultado do julgamento foi de 6x5 contra a prisão após condenação em segunda instância. A prisão após condenação em segunda instância é considerada um dos pilares da Operação Lava Jato. 

Segundo o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o julgamento deve ter impacto na situação de cerca de 4,9 mil presos após decisão na segunda instância do STF. Além do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde 7 de abril de 2018, na Superintendência da Polícia Federal (PF), em Curitiba, no caso do tríplex do Guarujá, o resultado da decisão pode afetar outros 37 condenados da Operação Lava Jato, entre eles o ex-ministro José Dirceu.

Em duas ocasiões, o presidente Dias Toffoli defendeu uma "solução intermediária" para por fim ao dilema. Na avaliação inicial de Toffoli, o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) poderia ser o marco para o início do cumprimento da pena. 

Desde de 2016, o STF entende que é possível determinar a pena já após a condenação em segunda instância, mesmo que o condenado ainda possa recorrer a instâncias superiores. Um dos principais argumentos que favoreceram a mudança é de que, de acordo com a constituição, "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória".

Como votaram os ministros do STF

Placar foi de 6x5 contra a execução antecipada da pena. Votaram a favor da execução da pena após condenação em segunda instância: Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Luis Robert Barroso, Luiz Fux e Cármen Lúcia.

Já os ministros Marco Aurélio, Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli votaram contra a execução da pena após condenação em segunda instância.



Nesta quinta-feira (7), no terceiro dia do julgamento, votaram os ministros Cármen Lúcia, Gilmar Mendes, Celso de Mello e Dias Toffoli.

Cármen Lúcia (a favor)
"O contraditório é do direito porque é da vida. Quem gosta de unanimidade é ditadura. Democracia é plural, sempre. Diferente não é errado apenas por não ser mero reflexo"

Gilmar Mendes (contra)
"Nós tínhamos um encontro marcado com as prisões alongadas de Curitiba. E as prisões provisórias de Curitiba se transformaram em sentenças definitivas. E depois se transformaram em decisões definitivas de segundo grau. Portanto, a regra era a prisão provisória de caráter permanente. E isso passou a me chamar a atenção"

Celso de Mello (contra)
"O dever de proteção das liberdades fundamentais dos réus, de qualquer réu, representa encargo constitucional de que o poder judicial, em particular o STF, não pode demitir-se. Mesmo que o clamor popular manifeste-se contrariamente, sob pena de frustração de conquistas históricas"

Dias Toffoli (contra)
"Não é a prisão após segunda instância que resolve esses problemas (de criminalidade), que é panaceia para resolver a impunidade, evitar prática de crimes ou impedir o cumprimento da lei penal”

Relembre o que já havia acontecido nas sessões anteriores

No dia 17 de outubro, a Corte começou a julgar definitivamente três Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADCs) sobre o assunto, relatadas pelo ministro Marco Aurélio Mello e protocoladas pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), pelo PCdoB e pelo antigo PEN, atual Patriota. A sessão desta quinta-feira (7) é a quinta dedicada ao tema.

O entendimento antigo do Supremo permitia a prisão após condenação em segunda instância, mesmo que ainda seja possível recorrer a instâncias superiores. No entanto, a OAB e os partidos sustentam que o entendimento afronta o princípio constitucional da presunção de inocência e que uma sentença criminal somente pode ser executada após o fim de todos os recursos possíveis, incluindo no próprio Supremo.

A questão foi discutida nos últimos anos pelo Supremo ao menos quatro vezes. Em 2016, quando houve decisões liminares (provisórias) nas ações que estão sendo julgadas, a prisão em segunda instância foi autorizada por 6 votos a 5. De 2009 a 2016, prevaleceu o entendimento contrário, no sentido de que a sentença só poderia ser executada após o Supremo julgar os últimos recursos.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM