Jornal do Commercio
Notícia
PRESOS NA LAVA JATO

Eduardo Cunha e Sérgio Cabral serão soltos com decisão do STF? Não é bem assim

Apesar da decisão da Suprema Corte, nem todos os presos em segunda instância poderão ser beneficiados pelo entendimento do tribunal

Publicado em 08/11/2019, às 10h30

Cunha e Cabral, ambos do MDB-RJ, estão presos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro / Fotos: AFP
Cunha e Cabral, ambos do MDB-RJ, estão presos por corrupção passiva e lavagem de dinheiro
Fotos: AFP
JC Online
Com informações do Estadão

Após o Supremo Tribunal Federal (STF) considerar, por seis votos a cinco, a prisão após condenação em segunda instância inconstitucional na noite dessa quinta-feira (7), circulam nas redes sociais boatos de que políticos como ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha e o ex-governador do Rio de Janeiro Sergio Cabral, ambos do MDB-RJ, serão beneficiados pela medida e deixarão a prisão.

No entanto, a decisão da Suprema Corte, que mudou o entendimento que mantinha desde 2016 pela prisão após a condenação em segunda instância, se aplica aos presos que tiveram antecipação da pena, mas não abrange aqueles que estão em prisão preventiva ou temporária, como é o caso dos emedebistas.

Condenado em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), o ex-deputado federal Eduardo Cunha cumpre prisão preventiva desde outubro de 2016 por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Assim como a do ex-presidente Lula (PT), a prisão de Cunha também foi decretada pelo ex-juiz Sérgio Moro, atual ministro da Justiça e Segurança Pública do governo de Jair Bolsonaro (PSL).



O ex-governador do Rio Sérgio Cabral está em situação parecida à do ex-presidente da Câmara dos Deputados. Preso desde novembro de 2016, o emedebista passou a cumprir pena em 2ª instância em 2019 por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Moro, porém, decretou a prisão de Cabral para execução provisória da pena em setembro, em substituição à prisão preventiva decretada em 2017.

Lula pode voltar a ser preso

A mudança de entendimento do STF sobre as prisões após condenação em 2ª instância não impede que juízes de execução, como era Moro, decretem prisões preventivas em casos excepcionais, como ameaça à ordem pública ou ao aprofundamento das investigações. Sendo assim, Lula, pode voltar à cadeia se tiver uma prisão preventiva decretada.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM