Jornal do Commercio
Notícia
PT

Veja o que disse Lula em seu primeiro discurso após deixar a prisão, em Curitiba

O ex-presidente agradeceu aos militantes e fez ataques ao Ministério Público Federal e Polícia Federal

Publicado em 08/11/2019, às 19h04

Ex-presidente saiu da prisão às 17h42 desta sexta-feira (8) / Foto: HENRY MILLEO / AFP
Ex-presidente saiu da prisão às 17h42 desta sexta-feira (8)
Foto: HENRY MILLEO / AFP
JC Online e agências

Em frente à sede da Polícia Federal em Curitiba, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez seu primeiro discurso depois de deixar a prisão. Durante cerca de 20 minutos, o petista agradeceu aos militantes e criticou o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal (PF).

As imagens de televisão mostraram empurra-empurra e disparos de fogos de artifício assim que Lula saiu. O ex-presidente estava no palco ao lado de familiares, apoiadores do MST e aliados petistas, entre os quais Fernando Haddad, Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias e Wadih Damous.

A ordem de soltura do petista foi dada, às 16h15, pelo juiz Danilo Pereira Júnior, da 12ª Vara Federal de Curitiba, menos de 24 horas depois de o Supremo Tribunal Federal declarar inconstitucional a prisão após condenação em segunda instância - caso de Lula. Às 17h42, o ex-presidente saiu da prisão.


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Principais trechos do discurso de Lula

Agradecimentos aos militantes

"Olha, faz muito tempo que eu não vejo um microfone na minha frente. Meus queridos companheiros e minhas queridas companheiras, vocês não têm dimensão do significado de eu estar aqui junto com vocês. Eu, que a vida inteira estive conversando com o povo brasileiro, não pensei que, no dia de hoje, poderia estar aqui conversando com homens e mulheres que durante 580 dias gritaram 'bom dia, Lula', 'boa tarde, Lula' e 'boa noite, Lula', não importando se estivesse chovendo, se estivesse fazendo 40 ou zero graus. Todo santo dia, vocês eram o alimento da democracia que eu precisava pra resistir à safadeza e canalhice que o lado podre do estado brasileiro fez comigo".

"Eu imaginei que quando eu saísse eu ia poder encontrar cada companheiro da vigília e dar um grande abraço e um grande beijo. Vocês não têm noção do que vocês representaram para mim, eu fiquei mais fortalecido, mais corajoso."



Críticas

Lula disse que a sua prisão foi resultado de um "lado podre" do Estado brasileiro, "da Justiça, do Ministério Público, da Polícia Federal e da Receita Federal", que, segundo o ex-presidente, "trabalhou para tentar criminalizar a esquerda, o PT e o Lula". "O lado mentiroso da PF que fez inquérito contra mim, o lado canalha do MP e da força-tarefa."

"Se pegar o (Deltan) Dallagnol (chefe da força-tarefa do Ministério Público Federal em Curitiba), o (Sergio) Moro (ex-juiz da Lava Jato) e alguns delegados, enfia e bate num liquidificador. O que sobrar não é dez por cento da honestidade que eu represento nesse País. Eles têm que saber que caráter e dignidade não é uma coisa que a gente compra em shopping center, em feira ou no bar", discursou o presidente.

"O Moro tem que saber uma coisa: não prenderam um homem. Tentaram matar uma ideia, mas uma ideia não desaparece", disse Lula, retomando as ideias da sua fala no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC logo antes de ser preso em abril de 2018.

O presidente também fez críticas a veículos de imprensa. "Eu quero lutar para provar que se existe uma quadrilha e um bando de mafioso é essa maracutaia, liderada pela Rede Globo." Lula ainda afirmou que "não tem mágoas" nem dos policiais federais, nem dos carcereiros.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM