Jornal do Commercio
Notícia
ENTREVISTA

Ministro da Cidadania defende que área da Segurança Pública continue com Moro

Osmar Terra (MDB-RS) discordou de pedido feito por secretários estaduais da área, incluindo o de Pernambuco, Antônio de Pádua, ao presidente Jair Bolsonaro

Publicado em 23/01/2020, às 11h01

"Hoje, na estrutura que o Ministério da Justiça tem, consegue dar uma resposta adequada", afirmou o ministro
Foto: Rafael Zart/Ministério da Cidadania
Amanda Miranda, do Blog de Jamildo
Atualizada às 18h09

O ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB-RS), defendeu nesta quinta-feira (23), em entrevista à Rádio Jornal, que a Segurança Pública não saia do Ministério da Justiça, comandado por Sergio Moro. O pedido foi feito por secretários estaduais da área, incluindo o de Pernambuco, Antônio de Pádua, em reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

"Hoje, na estrutura que o Ministério da Justiça tem, consegue dar uma resposta adequada", afirmou. "Acredito que o problema não é ter uma estrutura específica", completou.

Osmar Terra elogiou Moro e o antecessor dele, o pernambucano Raul Jungmann, que assumiu a pasta de Segurança Pública criada no governo Michel Temer (MDB). Os dois entraram em atritos pelas redes sociais nos últimos dias, depois que Jungmann cobrou o crédito pela redução da criminalidade aos estados.

Pacto pela Vida

Osmar Terra foi questionado sobre os assassinatos cometidos por forças policiais. Ao responder, afirmou que por duas décadas o governo federal fez "cara de paisagem" e os estados ficaram "pisando em ovos" na segurança e que, por isso, o país passa por um momento difícil.

"Aliás, Pernambuco teve uma avanço e depois um retrocesso. No período do ex-governador Eduardo Campos [2007-2014], teve avanço. Eu sei do esforço que o governador está fazendo, mas houve um retrocesso", comentou sobre a gestão de Paulo Câmara (PSB) no Pacto pela Vida.

Em resposta, após a entrevista com Osmar Terra, o secretário estadual de Justiça e Direitos Humanos, Pedro Eurico, lembrou que o índice de Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) caiu. Em 2020, a redução foi de 18%.



Jovens 'nem-nem' do Bolsa Família são 'quase exército reserva para a criminalidade'

Alinhada com as propostas de mudança que estão sendo estudadas pelo governo federal para o programa Bolsa Família, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, passou a cogitar a possibilidade de utilizar a infraestrutura do Porto Digital para capacitar jovens atendidos pelo programa social e, assim, fazer com que o Bolsa Família chegue ao nível de "não ficar só transferindo renda, mas dê oportunidade das pessoas saírem com as próprias pernas da pobreza." Na capital pernambucana, o ministro disse que os jovens "nem-nem" do programa são "quase um exército reserva para a criminalidade" e ressaltou que esse número chega a 4,6 milhões de jovens atendidos em todo o País.

Leia Também

    De acordo com o Osmar Terra, o ecossistema de tecnologia hoje tem um grande papel no desenvolvimento do País e também na possibilidade de garantir emprego aos mais pobres a partir da qualificação. "Porque não utilizar todo esse exército de jovens que não têm oportunidade  de trabalho e não estão estudando para que passem a fazer cursos de TI, principalmente as famílias mais pobres do Bolsa Família? Temos 4,6 milhões jovens 'nem, nem', que nem trabalham e nem estudam somente no Bolsa família. Isso é tragédia social, mas são jovens que de repente chegaram até o ensino médio e pararam. A gente quer usar essas estruturas aqui (do Porto Digital) para fazer (isso)", disse o ministro. 

    Garantir algum caminho para geração de renda e, consequentemente, saída aos poucos do programa Bolsa Família é uma demanda que tem sido perseguida pelo governo entre as propostas de mudança para o programa de transferência de renda. Em entrevista ao jornal Estado de São Paulo, Terra já informou que o ministério está negociando com empresas a oferta de cursos gratuitos aos jovens do Bolsa Família, que vão ganhar um benefício enquanto estiverem fazendo o curso.

    "Esses jovens podem e têm potencial que tem um jovem de uma família de classe média. Precisa dar oportunidade deles aprenderem e se inserirem no mercado de trabalho. Por que os jovens do Bolsa Família não podem fazer startup (empresas baseadas em tecnologia) e com isso ganharem bem e darem oportunidade a suas famílias", questionou o ministro. 

    De acordo com o ministro, os jovens 'nem-nem' no Bolsa Família são "quase um exército reserva para a criminalidade". "Se não formos competentes em oferecer uma saída para eles, se não oferecemos, outros vão oferecer e da pior maneira possível", alertou. "Vamos avançar dentro do Bolsa família, nessa questão da escolaridade, oferecendo prêmios aqueles estudantes que passarem de ano e os que têm notas boas . Tudo isso está sendo discutido, assim como o voucher de creche para as mães do Bolsa Família. Estamos discutindo uma questão muito específica também, queremos condicionar tudo isso a uma melhoria do desempenho. Não ficar só dando, transferindo a renda, mas dar oportunidade das pessoas saírem com as próprias pernas da pobreza", acrescentou Terra.  

    A reestruturação que o governo federal quer fazer no programa Bolsa Família prevê aumentar a renda de 10 milhões de beneficiários mais pobres que já estão no programa social e deve custar em torno de R$ 7 bilhões. O custo, entretanto, tem sido avaliado pela equipe econômica do governo por conta de falta de espaço no Orçamento. 


    

    Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

    OFERTAS

    Especiais JC

    Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
    A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
    Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
    Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
    Especial Novo Clima Especial Novo Clima
    O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

      SIGA-NOS

      LICENCIAMENTO

    • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

    Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

    EXPEDIENTE |

    PRIVACIDADE

    Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM