Jornal do Commercio
2ª Denúncia

Janot quer Palocci como testemunha contra 'quadrilhão' do PMDB da Câmara

Acusação imputa do grupo do PMDB, encabeçado por Temer e que inclui dois ministros, o acerto de R$ 587 milhões em propinas

Publicado em 14/09/2017, às 18h57

Palocci confirmou a existência do esquema de fatiamento político da Petrobras entre PT, PMDB e PP e apontou Lula como maior beneficiário / Agência Brasil
Palocci confirmou a existência do esquema de fatiamento político da Petrobras entre PT, PMDB e PP e apontou Lula como maior beneficiário
Agência Brasil
Estadão Conteúdo

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, quer que o ex-ministro Antonio Palocci seja testemunha de acusação no processo contra o "quadrilhão" do "PMDB da Câmara", que incluiu o presidente Michel Temer, acusado de organização criminosa e tentativa de obstrução à Justiça.

A denúncia é a flechada derradeira de Janot, que deixa o cargo no dia 17, nas investigações do "quadrilhão" formado por membros do PT, do PMDB e do PP, acusados de corrupção pela Operação Lava Jato.

A acusação imputa ao grupo, encabeçado por Temer e que inclui dois ministros, Eliseu Padilha e Moreira Franco, além do ex-ministro Geddel Vieira Lima, o homem das malas de R$ 51 milhões, e os ex-deputados Eduardo Cunha e Rodrigo Rocha Loures, o acerto de R$ 587 milhões em propinas.



44 nomes colocados como testemunhas

Janot colocou no rol de testemunhas da PGR 44 nomes, sendo que 40 deles são delatores - a denúncia considera 36 como colaboradores no caso - e outros candidatos a delator, como Palocci e José Aldemário Pinheiro, o Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS. Na lista dos não colaboradores está o amigo de Temer Jose Yunes.

Palocci confirmou a existência do esquema de fatiamento político da Petrobras entre PT, PMDB e PP e apontou Lula como maior beneficiário. São quatro denúncias do quadrilhão da Lava Jato: uma contra políticos do PP, uma contra os do PT, que inclui Lula e a ex-presidente Dilma Rousseff, uma contra o PMDB do Senado e essa contra o PMDB da Câmara.

Só na Petrobras, o grupo liderado por Temer é acusado de receber R$ 350 milhões em propinas. Com a inclusão das descobertas da corrupção ligadas à JBS e de outras, como no Ministério da Integração Nacional, a denúncia alcança o valor de R$ 857 milhões.


Palavras-chave




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM