Jornal do Commercio
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

PTB e PT iniciam "deslocamento" do governo Eduardo

Recém saídos do governo estadual, "independentes" alinham discurso com o da oposição e cobram clareza do Executivo em matérias polêmicas enviada à Casa

Publicado em 17/10/2013, às 06h15

 / JC Imagem
JC Imagem
Ayrton Maciel

Um dia depois da oposição derrotar o governo Eduardo Campos (PSB), através de manobra regimental na Assembleia Legislativa, obrigando a retirada de pauta do pedido de autorização para contratação de empréstimo de US$ 175 milhões, junto ao Banco Mundial, os oposicionistas receberam, ontem, a adesão e assistiram o deslocamento para uma “linha de independência” do PTB e do PT, recém desembarcados do Executivo estadual. Oposição e “independentes” alinharam os discursos, cobrando dos governistas e do Palácio que matérias polêmicas, principalmente de cunho financeiro, sejam enviadas ao Legislativo detalhando o valor e a destinação do dinheiro.

Infográfico

bancada

Apesar do alinhamento, deputados da oposição, do PTB e do PT votaram com os governistas e aprovaram, por unanimidade, o projeto que autoriza o empréstimo pelo Banco Mundial. Por precaução, o governo articulou a presença da sua ampla maioria no plenário. Assinaram a ata 40. Na terça-feira (15), havia 22, quando o quórum para votar a matéria é de 25. O líder da oposição, Daniel Coelho (PSDB), pediu votação nominal, manobra que levou o governista André Campos (PSB, ex-PT) a pedir verificação de presença. Sem quórum, o projeto foi retirado de pauta. Se fosse aberta a votação, a matéria teria sido arquivada, e só poderia ser reapresentada em 2014.

“A partir de agora, a bancada do governo tem de estar mais atenta. O quadro político mudou na Casa”, alertou André, ao comemorar a aprovação do empréstimo. O dinheiro vai financiar a segunda etapa do Programa de Desenvolvimento da Educação e Gestão Pública (Projeto Educar).



Antes da votação de ontem, o PTB fechou posição. “Quero anunciar o voto de apoio da bancada do PTB, mas pedimos à bancada do governo que o Executivo encaminhe (agora) seus projetos com detalhamento”, cobrou o ex-vice-líder da situação, Sílvio Costa Filho (PTB). “Este deveria ser o procedimento desde o início da gestão. Até hoje, temos votado muito mais em confiança. Não teremos dificuldade de votar no que for do interesse do povo”, revelou a nova postura Manoel Santos (do PT que saiu do governo).

As posições do PT e do PTB coincidiram com o discurso da oposição, que havia imposto a derrota ao governo no dia anterior. “Vejam a importância do que fez a oposição. A prática era mandar projeto sem detalhamento. Não temos a obrigação de aprovar”, afirmou Daniel, pedindo nova conduta do governo. “A Alepe não pode ficar passando cheque em branco”, exaltou Terezinha Nunes (PSDB).




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();