Jornal do Commercio
arena pernambuco

Oito autoridades aprovaram aditivo da Arena Pernambuco

Entre 2013 e 2014, Estado pagou R$ 81,1 milhões para cobrir a operação do estádio

Publicado em 13/03/2016, às 06h04

Aditivo foi assinado no dia 21 de dezembro de 2010 / Foto: Guga Matos/JC Imagem
Aditivo foi assinado no dia 21 de dezembro de 2010
Foto: Guga Matos/JC Imagem
Paulo Veras

Oito autoridades do governo estadual aprovaram, no Comitê Gestor de Parceiras Público-Privadas (CGPE), o aditivo ao contrato da Arena Pernambuco que levou o governo a assegurar 70% das receitas previstas para o estádio, como aponta a auditoria do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Entre 2013 e 2014, o Estado pagou R$ 81,1 milhões como contrapartida para cobrir a operação da Arena, por causa da cláusula.

A reunião do dia 22 de dezembro de 2010, foi presidida pelo hoje prefeito do Recife, Geraldo Julio, então secretário de Planejamento, e contava com a presença do senador Fernando Bezerra Coelho (PSB), ex-secretário de Desenvolvimento. O aditivo já havia sido assinado no dia anterior e tinha aprovação da Procuradoria Geral do Estado (PGE).

"Tudo foi feito com todos os dados técnicos e estudos feitos por especialistas que eram necessários. A Arena Pernambuco é a mais barata do Brasil. Isso é a primeira coisa importante. O seu funcionamento posterior dependia da realização de um conjunto de eventos, com jogos de futebol e outros tipos de eventos. Esses eventos não se tornaram realidade, a concessionária não realizou esses eventos, e isso inviabilizou a manutenção do que estava prevosto", afirmou o prefeito Geraldo Julio.



“Tudo era analisado com profundidade e responsabilidade”, garante o deputado Tadeu Alencar, ex-PGE. “Foram apresentadas todas as justificativas técnicas para poder ser tomada essa decisão”, assegura José Neto, então secretário de Administração. Ambos foram citados pela auditoria e prometem que tudo será esclarecido.

“Essas questões eram apresentadas por uma equipe técnica. A gente checava se o trâmite legal havia sido cumprido e aprovava”, explica João Bosco de Almeida, ex-secretário de Recursos Hídricos, que não foi procurado pelo TCE. O governo do Estado disse que apresentará sua defesa ao TCE. A assessoria não conseguiu localizar Fernando Bezerra Coelho.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM