Jornal do Commercio
operação turbulência

Paulo César Morato teria movimentado R$ 18,8 milhões em esquema de desvio de recursos

Polícia Federal aponta que empresário envolvido na Operação Turbulência, encontrado morto, era dono de empresa de fachada

Publicado em 22/06/2016, às 23h34

Empresário foi encontrado morto no mesmo dia em que Polícia Federal alertou aeroportos sobre possível fuga / Foto: Polícia Federal/Divulgação
Empresário foi encontrado morto no mesmo dia em que Polícia Federal alertou aeroportos sobre possível fuga
Foto: Polícia Federal/Divulgação
JC Online

O corpo do empresário Paulo César de Barros Morato foi encontrado no mesmo dia em que a Polícia Federal emitiu um alerta a todos os aeroportos do País com o mandado de prisão. Se ele tentasse deixar o Brasil, seria detido. A Interpol não chegou a ser acionada, pois não havia indícios de que Morato tivesse deixado o País. Acabou sendo encontrado morto dentro de um motel.


Dentro do esquema que movimentou R$ 600 milhões entre 2010 e 2016, com fortes indícios de ter beneficiado duas campanhas do ex-governador Eduardo Campos, Morato teria administrado uma fatia de R$ 18,8 milhões na Câmara & Vasconcelos, que aparece na investigação da Operação Turbulência como uma empresa de fachada em seu nome. 

>> PF descobre esquema de lavagem de dinheiro a partir de avião que transportava Eduardo Campos

O valor foi repassado pela empreiteira OAS, investigada na Operação Lava Jato, por um serviço de terraplanagem na Transposição do Rio São Francisco. O dinheiro, na verdade, teria servido para a compra da aeronave que Eduardo usou na campanha, o Cesnna Citation PR-AFA, o mesmo que sofreu o acidente que matou Eduardo Campos e outras seis pessoas, sendo dois pilotos e quatro assessores.




Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

 

A Polícia Federal apontou, ainda, que Paulo César Morato é dono de uma empresa chamada Lagoa Indústria e Comércio, que funciona no mesmo endereço da Camboa Cerâmica, pertencente a Eduardo Freire Bezerra Leite, preso na terça-feira (21) na operação.

Prisões - Além de Eduardo Freire Bezerra Leite, estão presos os empresários Apolo Santana Vieira (dono da empresa Bandeirantes Companhia Pneus), Arthur Roberto Lapa Rosal e João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho (filho do ex-deputado socialista Luiz Piauhylino).

Todos eles foram alvos de mandados de prisão preventiva. Os dois primeiros foram detidos no Recife, Apolo Santana estava malhando em uma academia no momento da prisão. Os outros dois foram localizados quando desembarcavam em São Paulo e transportados para o Recife.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM