Jornal do Commercio
Turbulência

Empresas investigadas pela Operação Turbulência não possuem sede fixa

Reportagem do JC visitou três locais. Em dois deles, as empresas não existiam

Publicado em 23/06/2016, às 07h30

No lugar da Geovane Pescados, existe uma casa comum em reforma / Foto: Diego Nigro/JC Imagem
No lugar da Geovane Pescados, existe uma casa comum em reforma
Foto: Diego Nigro/JC Imagem
Edson Mota

Com dezenas de empresas sendo acusadas de participação no esquema deflagrado pela Operação Turbulência, da Polícia Federal, o JC visitou três endereços que algumas empresas envolvidas estariam localizadas no Recife. Nos locais, constatou-se que muitas firmas não tinham sequer uma sede fixa. Em outras, ao invés de uma empresa, existe uma casa.

Uma das empresas envolvidas foi a Câmara & Vasconcelos Locação e Terraplenagem, que fica na Avenida Maria Irene, no bairro do Jordão, Zona Sul do Recife. Moradores do entorno da firma afirmaram que ela está no local há, no mínimo, dez anos. Disseram ainda que o movimento ontem, um dia após a deflagração da Operação, na empresa foi considerado normal. 

No local, muitos tratores e muitas retroescavadeiras preenchiam o vasto terreno da empresa. Um funcionário afirmou que os responsáveis não estavam na firma. A expectativa, segundo ele, é de que só retornariam na próxima segunda-feira (27).

No lugar da empresa Geovane Pescados, na Rua Doutor Valdir Pessoa, na Imbiribeira, na Zona Sul da cidade, foi encontrada uma casa em reforma. Desta vez, os vizinhos afirmaram que o pescador - identificado apenas como Geovane - cresceu na comunidade e que não reside ali desde 2014, pouco tempo depois do acidente que vitimou o ex-governador Eduardo Campos. Os moradores da localidade afirmaram ainda que ele aparece esporadicamente no local. No momento em que a reportagem chegou, a moradia estava vazia.



Já na CRM Material de Construção & Construtora, foi constatada a mesma situação da Geovane Pescados. O local alugado pela empresa estava fechado. Desta vez, porém, os residentes da via nem ao menos se recordam da instituição que se estabeleceu ali. 

O motivo é que, segundo o dono do imóvel, a empresa não completou nem um mês no espaço, um anexo de uma casa na Rua Poeta Manuel Bandeira, também na Imbiribeira. Mesmo tendo pago três meses de aluguel de forma adiantada, os representantes também preferiram deixar o espaço após o acidente aéreo de Eduardo Campos. Os mandatários da empresa também não foram localizados.

Ainda de acordo com o proprietário, a Receita Federal visitou o espaço há cerca de três meses para saber informações sobre a CRM e analisar os contratos da empresa. Depois que a firma saiu do imóvel, um restaurante japonês funcionou no local por três anos.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM