Jornal do Commercio
10 ANOS DE PSB

Em 10 anos, Pernambuco foi do crescimento à crise econômica

Economia de Pernambuco se dinamizou nos últimos dez anos, mas sofreu fortemente com a crise

Publicado em 19/01/2017, às 07h10

O ex-governador Eduardo Campos ao lado do ex-presidente Lula (PT) e do ex-presidente da Venezuela Hugo Chaves no canteiro de obras da Refinaria Abreu e Lima / Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr
O ex-governador Eduardo Campos ao lado do ex-presidente Lula (PT) e do ex-presidente da Venezuela Hugo Chaves no canteiro de obras da Refinaria Abreu e Lima
Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/ABr
Paulo Veras

Uma refinaria de petróleo, dois estaleiros, um complexo químico-têxtil, uma fábrica de automóveis capaz de produzir anualmente 250 mil veículos. Por anos, Pernambuco foi um Eldorado de desenvolvimento. Alguns dos investimentos já estavam previstos antes de o PSB voltar ao governo, em 2007. Mas foram impulsionados por vultosos investimentos públicos que eram facilitados pela relação de amizade entre o ex-governador Eduardo Campos e o ex-presidente Lula (PT). Impulsionada, a economia de Pernambuco não só cresceu; como diversificou sua matriz e, até ser solapada pela seca e pela quebradeira na Petrobras, cresceu mais do que o País.

Não à toa, dois ex-secretários estaduais de Desenvolvimento integram a cúpula do PSB do Estado: o senador Fernando Bezerra Coelho e o prefeito do Recife, Geraldo Julio. Até 2011, todos os números do Produto Interno Bruto (PIB) eram muito favoráveis. Por um lado, o governo se especializou na atração de investimentos privados através da concessão de benefícios fiscais. Do outro, a aliança entre o governador e o presidente Lula garantia o forte aporte da União em investimentos públicos como a Transposição e a Refinaria Abreu e Lima (Rnest). Mesmo em 2009, quando a crise internacional impôs estagnação ao Brasil, Pernambuco marcou um crescimento de 1,6%. Aquecida, a construção civil engrossava a fileira de empregos. Com as novas plantas, a indústria avançou de 19,2% para 22% da economia do Estado.

“A partir de 2012, você já começa a verificar os efeitos da seca na agropecuária. Junto a isso, começava a se observar mudanças na região de Suape, com uma certa diminuição no ciclo de expansão da construção civil à medida que o estaleiro e a primeira parte da refinaria ficaram prontos”, explica Maurílio Lima, diretor de Estudos e Estatísticas da Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas (Condepe/Fidem). O PIB que crescia 4,5% em 2011 e fechou 2014 em 1,9%.

O ano da morte de Eduardo Campos e da eleição de Paulo Câmara foi o mesmo que deflagrou a Operação Lava Jato. Ícone do crescimento do Estado, a Rnest entrou na mira da investigação. Empreiteiras que trabalhavam na construção da planta industrial foram tragadas pelo escândalo de corrupção, assim como os agentes políticos; inclusive o próprio Eduardo. Sem receber, as empresas passaram a ter problema de caixa, dever fornecedores e funcionários. Em meio às incertezas, a Petrobras suspendeu as obras no segundo trem de refino, deixando a Rnest pela metade. No Brasil, a onda de desligamentos só foi menor do que a da construção de Brasília.



Segundo o presidente do Sintepav-PE, Aldo Amaral, entre 40 mil e 50 mil homens trabalharam no auge da construção da Rnest. “Hoje não tem 800 na área de construção”, estima. “Tem que botar as obras para recomeçar porque é o ponto de partida. É dali que diversos outros segmentos começam a se movimentar”, defende o sindicalista. Em dois anos, Pernambuco perdeu 136,5 mil empregos formais depois da crise.

'EFEITO PETROBRAS'

“O efeito Petrobras foi devastador”, afirma Maurílio. Braço da petrolífera, a Transpetro cancelou a construção de sete navios no Estaleiro Atlântico Sul e três no Vard Promar. A Companhia Petroquímica de Pernambuco (PQS) e a Companhia Têxtil Integrada de Pernambuco (Citepe), que custaram R$ 9 bilhões, foram vendidas por R$ 1,2 bilhão para a mexicana Alpek no final do ano passado, como parte do plano de desinvestimento da Petrobras. Em 2016, as duas empresas deram R$ 1,6 bilhão de prejuízo. “Foi um freio. A economia pernambucana sofreu um baque. Talvez seja a economia que mais sofreu, entre os estados, com essa crise na Petrobras”, afirma Maurílio.

Em 2015, o PIB de Pernambuco encolheu 3,5%. Os dois primeiros trimestres de 2016 também foram de dura retração (-7,6% e -3,5%). Com cenário nacional turvo, não há previsão de quando as coisas vão melhorar. Para o governo, porém, o trabalho dos últimos dez anos garante uma base industrial sob a qual Pernambuco conseguirá se recuperar mais rápido que o resto do País.

Quando se olha para o PIB, o que tem segurado a indústria é a Jeep. O polo automotivo de Goiana, na Mata Norte, é um dos mais modernos do mundo e, embora enfrente gargalos de infraestrutura, produz para além do mercado brasileiro em crise. Juntos, a fábrica da Jeep e 16 fornecedores empregam 9.000 pessoas. Em 2016, primeiro ano cheio desde que começou a operar, a empresa produziu 122 mil unidades dos modelos Jeep Renegade, Fiat Toro e Jeep Compass. Entre janeiro e novembro do ano passado, o Porto de Suape exportou 32,8 mil veículos.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.
Conheça o udigrudi pernambucano Conheça o udigrudi pernambucano
O udigrudi pernambucano reuniu um grupo de talentosos jovens músicos que, na primeira metade dos anos 70, gravou discos absolutamente não comerciais, fez rock and roll na terra do frevo, produziu festivais, insistiram na permanência do sonho.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM