Jornal do Commercio
Segurança pública

Divulgação oficial de homicídios gera embate entre governo e oposição

Gestão Paulo Câmara muda procedimento para divulgação de homicídios e oposicionistas querem acionar o Ministério Público

Publicado em 04/02/2017, às 09h09

Governo Paulo Câmara muda procedimento de divulgação de crimes; oposição reclama / Alexandre Gondim/JC Imagem
Governo Paulo Câmara muda procedimento de divulgação de crimes; oposição reclama
Alexandre Gondim/JC Imagem
Felipe Vieira e Franco Benites

Depois de quase 11 anos e quatro governadores, o governo do Estado vai mudar a metodologia de divulgação dos dados da criminalidade. A portaria 1007, de 27 de julho de 2006, foi instituída durante a gestão de Mendonça Filho (atual ministro da Educação), e passou pelas administrações de Eduardo Campos (2007-2014), João Lyra Neto (2014) e Paulo Câmara (2015 até agora). O documento estabelece a divulgação mensal e nominal, no site da Secretaria de Defesa Social (SDS), das vítimas de homicídios em Pernambuco.

A pedido do titular da SDS, o delegado federal aposentado Ângelo Gioia, a liberação das estatísticas será ampliada a partir do final de fevereiro: crimes violentos contra o patrimônio (roubos), estupros e casos de violência contra a mulher passarão a fazer parte do boletim mensal da secretaria. Mas os dados não serão mais diários e nominais, como era feito com os homicídios até o mês passado. Ocorrências relativas a assaltos a ônibus e explosões de agências bancárias – os maiores “calos” da segurança pública do Estado desde que Paulo Câmara assumiu – não entrarão no cômputo, em um primeiro momento, devido ao grande volume de trabalho que a nova metodologia vai exigir, segundo a SDS.

Governo anuncia reajuste da PM em três parcelas até 2018

SDS diz que tem dado respostas a assaltos a bancos no Estado

Onze assaltos a ônibus por dia e 1.916 investidas em 2016. Motoristas ameaçam parar no Carnaval 2017

O governo alega maior transparência com a mudança de metodologia. “Da forma como era feito, havia algumas incongruências, como casos que as investigações mostravam não serem homicídios, o que modificava o resultado final”, explica o capitão Jonas Moreno, titular da Gerência de Análise Criminal e Estatística (Gace) da SDS.  “Além disso, haverá uma ampliação nas modalidades que terão dados divulgados”, acrescenta.

O presidente da Associação dos Delegados de Polícia de Pernambuco (Adeppe), Francisco Rodrigues, diz que a medida não pode ser um fim em si. “Divulgar dados negativos repetidamente, além de aumentar a sensação de insegurança da população, é um incentivo aos bandidos, pois mostra a fragilidade da segurança. Essa mudança tem que vir acompanhada de ações concretas no âmbito das polícias, para que os números seja, de fato, positivos”.

Para o presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol), Áureo Cisneiros, a mudança é uma “cortina de fumaça”. “Justamente na hora da maior crise da segurança pública desde o início do Pacto pela Vida o governo resolve modificar a metodologia dos dados. Não é coincidência. Dizem que vão ampliar a divulgação de estatísticas e, ao mesmo tempo, suprimem os nomes das pessoas assassinadas. É muito estranho”.

O gerente da Gace defende o método utilizado pela SDS. “É um modelo copiado por Estados como Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Sul e Minas Gerais. É a melhor metodologia do Brasil. Nosso compromisso com a sociedade não mudou”, disse Jonas, em entrevista ao programa de Geraldo Freire, na Rádio Jornal.

OPOSIÇÃO VAI ACIONAR O MP

A revisão do procedimento de divulgação nominal das vítimas de homicídios é contestada pelo líder da oposição ao governo, Silvio Costa Filho (PRB). “A medida vai de encontro ao Pacto pela Vida, primava pela transparência. A oposição pretende, por meio da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, fazer um debate sobre o Pacto e tratar dessa questão”, afirma.



De acordo com o deputado, a oposição vai buscar o apoio. “Isso é um retrocesso e cria dificuldade para a oposição, a imprensa e os pernambucanos terem acesso aos números. Avaliamos envolver o Ministério Público no debate”, diz.

>> Paulo Câmara tem agendas públicas não divulgadas à população

Como líder da oposição e aliado do senador Armando Monteiro (PTB), que pretende disputar o governo estadual com Paulo Câmara (PSB) em 2018, Silvio Filho tem feito críticas sistemáticas às ações do PSB na área de Segurança. O tom das declarações deve subir mais perto de 2018.

Nesta semana, a deputada Priscila Krause (DEM), outra integrante da oposição, disse que um clima de guerra está instalado no Estado, cobrou um “rápido pronunciamento” do governador e sugeriu que se crie um “gabinete de crise” acima de divergências políticas e partidárias. Os governistas, por sua vez, decidiram não ficar passivos diante das críticas.

Evaldo Costa, ex-assessor de Eduardo Campos, e o deputado federal Danilo Cabral (PSB) defendem o legado do Pacto pela Vida e as medidas do governo para conter a violência.

Recentemente, o secretário de Administração, Milton Coelho, contestou o sociólogo José Luiz Ratton, que disse que o Pacto pela Vida morreu.

“O que ele pretende, ao atacar sistematicamente o PPV é, muito principalmente, prestar serviço a grupos políticos e econômicos que trabalham para inviabilizar o governo com a opinião pública e deformar a imagem do governador”, escreveu.

>> Segurança: PSB vai da grife Pacto pela Vida à cobrança da população




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM