Jornal do Commercio
Governo

Antônio Campos dispara novas críticas contra cúpula do PSB

Ele acusa setores do governo Paulo Câmara de conivência com perseguições

Publicado em 14/02/2017, às 08h38

Campos faz novas críticas ao PSB e acusa setores do governo estadual de coninvência / Fernando da Hora/JC Imagem
Campos faz novas críticas ao PSB e acusa setores do governo estadual de coninvência
Fernando da Hora/JC Imagem
JC Online

Depois de anunciar a saída do Partido Socialista Brasileiro, o advogado Antônio Campos, irmão do ex-governador Eduardo Campos  e candidato derrotado nas eleições para prefeito de Olinda, disparou nesta segunda (13/2) novos ataques contra a cúpula estadual do PSB. O alvo principal são Romero Pontual, ex-presidente do Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco (Ceasa), e “setores ligados” ao governo Paulo Câmara, acusados de conivência e  incentivo a atos ilegais, como “arapongagem” que teriam sido praticados contra ele.  

Campos, que pode sair candidato a deputado federal em 2018, quer a Polícia e o Ministério Público Federais no caso, já denunciado à Polícia Civil. De acordo com o advogado, “Romero Pontual liderou um esquema, em sintonia com outras forças”, para tentar denegrir a imagem dele. “Desde julho de 2016, há um inquérito aberto sobre ameaças que venho recebendo de diversas formas. Recentemente, uma das pessoas que ele quis utilizar nessa armação arrependeu-se e me entregou conversas gravadas entre ele e essa pessoa que comprova todo ardil. Grampo ilegal, cooptação de funcionários e ex-funcionários para obtenção de informações, ameaças por carta e por celular, entre outras”. 

Em nota de esclarecimento enviada ao Blog de Jamildo e depois remetida à Editoria de Política do JC, reforça que a desfiliação do PSB deve-se a “fatos ocorridos na eleição de Olinda e que ainda continuam a ocorrer, de discriminação e perseguição sistemática”. 

“Tenho o dever e a responsabilidade de informar a sociedade pernambucana e brasileira, bem como às autoridades constituídas, práticas ilegais e anti-democráticas que venho sofrendo, com a conivência ou mesmo o incentivo de setores ligados a atual gestão do Governo do Estado de Pernambuco, o que revelarei nos autos do inquérito investigativo, cuja abertura se deu em julho de 2016, sendo o áudio anexo, uma mínima amostra”, escreveu.

No áudio de dez segundos, uma voz masculina, que segundo o advogado seria de Romero Pontual, diz: “Santiago, fecharam todas as porteiras para o nosso gordinho”. Antônio Campos afirma que “a lei irá prevalecer contra a truculência e as intimidações, que um verdadeiro Campos/Arraes jamais se curvará”. E acrescenta: “tais práticas constituem uma grave violação aos meus direitos individuais e do meu núcleo familiar ameaçado e agredido”.



O neto de Miguel Arraes diz ter diversas provas. “Juntei uma parte no inquérito. A outra, estou periciando”. Para Campos, Pontual adotou a prática “para servir às forças que o beneficiam”. E diz : “O mundo político e empresarial o conhece.” À polícia, contou  que o ex-presidente da Ceasa pode  ser localizado na “Casa de Farinha, que diz ser do seu filho” e “é citado   em alguns procedimentos e investigações no Estado, que  merecem ser melhor aclaradas”. Romero Pontual é agropecuarista, foi presidente da Ceasa nos dois governos de Eduardo Campos. Chegou a receber a Medalha do Mérito José Mariano, da Câmara de Vereadores do Recife, por ter contribuído com o desenvolvimento.

PSB atribui crítícas a inconformismo com derrota de outubro

O diretório estadual do Partido Socialista Brasileiro (PSB) atribuiu as denúncias e críticas de Antônio Campos ao “inconformismo com a derrota na eleição de Olinda em 2016”. 

Por nota, disse que estava vindo a público “ para declarar que, embora não tenha recebido nenhuma notificação, considera um fato natural o pedido de desfiliação do advogado Antônio Campos, direito líquido e certo de qualquer militante, de integrar este ou outro partido de sua preferência.”

As críticas e denúncias foram consideradas “ataques e insinuações”.

O ex-presidente da Central de Abastecimento e Logística do Estado (Ceasa), Romero Pontual, não foi encontrado pela reportagem do JC para comentar as denúncias feitas por Antônio Campos. 

O governo do Estado também não se pronunciou sobre a fala do neto de Miguel Arraes e único irmão de Eduardo Campos. Deixou que a resposta oficial ao caso fosse dada pelo PSB.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM