Jornal do Commercio
Infraestrutura

Ferrovia Transnordestina só deve ficar pronta em 2021

Obra é uma das muitas que tiveram o orçamento inflado e não ficaram prontas

Publicado em 20/08/2017, às 07h05

Transnordestina já recebeu R$ 6,4 bilhões em investimento e ainda está pela metade / Diego Nigro/JC Imagem
Transnordestina já recebeu R$ 6,4 bilhões em investimento e ainda está pela metade
Diego Nigro/JC Imagem
ADRIANA GUARDA

Grandiosas e problemáticas também são as obras da Transnordestina, Hemobrás e Transposição do São Francisco. Todas envolvidas em irregularidades ou esquemas de corrupção. A ferrovia completou 11 anos em construção, já sorveu R$ 6,4 bilhões em investimentos e ainda está pela metade. A Hemobrás não conseguiu cumprir seu objetivo de produzir medicamentos e sofreu ameaça de ter parte transferida para o Paraná, enquanto a Transposição concluiu o eixo-leste, mas a água não chega a Pernambuco.

Por decisão do Tribunal de Contas da União (TCU), os repasses de recursos para a Transnordestina estão suspensos, e a obra, paralisada. O TCU quer evitar que continue o descompasso entre a liberação de dinheiro e a execução. Um grupo de trabalho formado pela Casa Civil e os ministérios dos Transportes e do Planejamento analisam as perspectivas de conclusão da ferrovia, enquanto a controladora Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) precisa atualizar os estudos de viabilidade e a demanda de cargas. O orçamento final da obra deve ficar em R$ 11,2 bilhões, e a conclusão, para 2021.

O governo Federal também estuda a possibilidade de uma “devolução amigável” da obra pela CSN ou a entrada de um novo sócio no empreendimento. “A melhor solução é a que concluir o empreendimento”, afirma o secretário de Desenvolvimento Econômico, Raul Henry, dizendo que setores econômicos do Estado poderiam se beneficiar da ferrovia.



HEMOBRÁS

A Hemobrás protagonizou cena de novela, com maços de dinheiro voando do apartamento de um ex-diretor da empresa em 2015. A Operação Pulso, da Polícia Federal, apontou desvio de recursos e manipulação das licitações. Em construção desde 2010 e com expectativa de inaugurar em 2019, o empreendimento quase foi parar no Paraná, por desejo do ministro da Saúde, Ricardo Barros. Pressão de parlamentares pernambucanos fizeram o ministro recuar. Depois de receber R$ 1 bilhão em investimento, ainda serão necessários R$ 600 milhões para concluir a obra. Outro imbróglio é a transferência de tecnologia para fabricar os medicamentos no Estado.

Há 10 anos em construção, a Transposição do São Francisco conseguiu concluir o eixo leste, mas a água não chega a Pernambuco. O Estado depende da conclusão da Adutora do Agreste (que se arrasta por falta de recursos) e do Ramal do Agreste (que sequer saiu do papel) para que a água chegue à torneira da população.



Comentários

Por wellington ,06/02/2018

Só no Brasil que começa a obra do fim para o começo que se a obra começa do Porto esses 300km que já está pronto já dava para desfrutar.

Por Elde,25/01/2018

FOI ASSIM Q O PT ENGANOU OS TOLOS, COM MENTIRA E FINGINDO Q FAZIA ALGUMA COISA, MAS SO FAZ INICIAR PARA TER DESCULPA ARA DESVIAR DINHEIRO, E PARA LAVAR DINHEIRO

Por Luiz,21/08/2017

Vergonha, ferrovia bilionária com tecnologia medíocre



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM