Jornal do Commercio
Crise nos municípios

Amupe vai pedir R$ 196 milhões à União para socorrer prefeituras

Pelo menos cinco prefeituras de Pernambuco já começaram a demitir funcionários por conta do deficit nas receitas municipais

Publicado em 14/11/2017, às 13h04

Prefeitos pernambucanos anunciaram nesta terça (14), uma série de medidas para conter a crise, como demissão de funcionários e redução de serviços a população / Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem
Prefeitos pernambucanos anunciaram nesta terça (14), uma série de medidas para conter a crise, como demissão de funcionários e redução de serviços a população
Foto: Felipe Ribeiro / JC Imagem
Editoria de Política
Com informações da repórter Ângela Belfort

A Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) vai pedir uma ajuda emergencial de R$ 196 milhões à União para socorrer financeiramente os 184 municípios pernambucanos. A situação da maioria das prefeituras é de deficit nas suas receitas. Pelo menos cinco prefeituras já começaram a demitir e vão desligar mais funcionários até o final deste mês.

Segundo o presidente da Amupe, José Patriota, o problema que mais atingiu as finanças municipais foi a queda nos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), uma das principais receitas dos pequenos municípios.



Os prefeitos pernambucanos vão a Brasilia no próximo dia 22 para pressionar o governo federal a liberar recursos emergenciais para as Prefeituras. Em todo o País, esse socorro custará R$ 4 bilhões e deve sair do tesouro nacional.

Medidas drásticas

Diante da crise financeira que afeta os cofres municipais do estado, prefeitos pernambucanos anunciaram nesta terça-feira (14) pela manhã, na sede da Amupe, uma série de medidas drásticas a serem tomadas para conter os gastos, como a demissão de funcionários e redução de serviços prestados à população. 



Comentários

Por LYRA,14/11/2017

Somente quero que os senhores respondam a essa pergunta: Como é que falta dinheiro nas prefeituras, que inclusive estão demitindo funcionários/servidores (realmente existe um excesso grande de mamadores nas mesmas) mas, não falta dinheiro para os prefeitos e os vereadores, todos BANDIDOS, enriquecerem de forma ilícita, justamente com o dinheiro dos cofres dessas mesmas prefeituras, sem falar em festas que realizam com cantores PEBAS que chegam a receberem até R$500 mil?



Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

JC 100 anos JC 100 anos
Para marcar os 100 anos de fundação, o JC publica este especial com um panorama do que se passou neste período em que o jornal retratou o mundo, com projeções de especialistas sobre o que vem por aí e com os bastidores da Redação do Jornal do Commercio
Sozinha nasce uma mãe Sozinha nasce uma mãe
Uma palavra se repete na vida dela: sozinha. Porque estava sozinha na gravidez. Sozinha na hora do parto. Sozinha nas primeiras noites de choro. Sozinha nos primeiros passos. Sozinha no registro civil. O JC conta histórias de luta das mães sozinhas
Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM