Jornal do Commercio
PT

Marília: Há 'guerra de nervos' em discussão sobre aliança ou candidatura

Pré-candidata, Marília Arraes afirmou que decisão sobre eleições em PE será tomada pelo diretório estadual e respeitada pela Executiva Nacional

Publicado em 20/05/2018, às 16h01

Marília Arraes promoveu ato em defesa à sua candidatura neste domingo (20) no Clube Internacional do Recife / Foto: Divulgação
Marília Arraes promoveu ato em defesa à sua candidatura neste domingo (20) no Clube Internacional do Recife
Foto: Divulgação
Amanda Miranda, do Blog de Jamildo

Atualizada às 17h49

A vereadora Marília Arraes, pré-candidata ao governo de Pernambuco pelo PT, defendeu neste domingo (20), após o ato no Recife, que a decisão sobre o partido ter um nome próprio ou fechar aliança com o PSB, tomada no congresso marcado para 10 de junho, será respeitada pela direção nacional. "O que acontece é uma guerra de nervos", afirmou, ao ser questionada sobre as últimas conversas de petistas com os socialistas. 

O partido marcou para 10 de junho um congresso para decidir se haverá candidatura própria ou aliança. Trezentos delegados vão votar. Além de Marília, se colocaram como pré-candidatos o deputado estadual Odacy Amorim e o militante petista José de Oliveira.

Marília alega que as notícias sobre sinalizações entre PT e PSB são para tentar desestimular a militância em relação à sua candidatura. Para ela, a busca de apoio à reeleição de Paulo Câmara (PSB) foi "sem retorno". 

"Eu já tinha falado: Paulo Câmara é muito fraco politicamente para conduzir o PSB nacional para uma aliança como essa", disse, retomando a declaração dada no programa 20 Minutos, exibido na TV Jornal nesse sábado (19). "A nacional tem reafirmado todos os dias que na verdade essa decisão será tomada aqui em Pernambuco".

Essa semana a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, se reuniu com Carlos Siqueira, o do PSB. Após uma visita a Lula na prisão, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, responsável pelo programa de governo petista, afirmou que o ex-presidente pediu que fossem incluídas iniciativas das gestões estaduais e citou a de Paulo Câmara. Na sexta-feira (18), o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), de quem também dependeria a aliança, esteve no Palácio do Campo das Princesas.



Humberto

Indagada sobre a afirmação do senador Humberto Costa, defensor da aliança com os socialistas, de que teria "número expressivo" de delegados que vão votar no congresso de 10 de junho pelo apoio ao PSB, Marília Arraes respondeu que eles são "passíveis de convencimento" e que acredita ter a "expressiva maioria". "Essa tese da aliança não tem sido debatida coletivamente", afirmou.

Humberto foi vaiado no ato pró-Marília. As vaias foram durante o discurso do secretário nacional de cultura do PT, Marcos Tavares, que citou uma entrevista do parlamentar em que ele advoga pelo apoio aos socialistas no Estado. Se o partido decidir pela aliança, ele pode ter espaço na chapa majoritária de Paulo Câmara para disputar a reeleição ao Senado. A outra vaga deve ser de Jarbas Vasconcelos (MDB), opositor histórico do PT.

Em resposta as vaias ao seu nome durante o evento, Humberto afirmou que é um movimento normal. "Em muitos encontros do PT, muita gente já recebeu vaia, isso é normal, isso reflete o acirramento que tem nessa discussão, não vejo nenhum problema", minimizou. "Além do mais, é uma parte da militância que estava lá, outra parte não estava e não agiria dessa maneira".

Marília Arraes afirmou que não ouviu a frase que provocou as vaias e não poderia opinar. "Tentamos conduzir a militância para o respeito à opinião divergente", disse, no entanto. A vereadora também negou que o PT esteja dividido. "O que há é uma divergência de opinião em relação à melhor tática a ser utilizada", explicou a vereadora. 





Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.
Copa América no Brasil Copa América no Brasil
Confira a relação da Copa América com o Brasil, o histórico e detalhes da edição deste ano, na qual a seleção terá que se virar sem Neymar, cortado do torneio. Catar e Japão participam como convidados
O nome dele era Gabriel Diniz O nome dele era Gabriel Diniz
José Gabriel de Souza Diniz, o Gabriel Diniz, ou simplesmente GD como os fãs o chamavam, morreu precocemente, aos 28 anos, em um acidente com um pequeno avião no litoral sul de Sergipe ocorrido na segunda-feira, 27 de maio de 2019.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM