Jornal do Commercio
OPERAÇÃO CHAMINÉ

Ex-vereador é preso por corrupção e lavagem de dinheiro em Paulista

Na Operação, foram cumpridos quatro mandados de prisão e mais 10 de busca e apreensão domiciliar em Paulista e outros três municípios

Publicado em 10/08/2018, às 07h50

O ex-vereador e outros quatro presos foram encaminhados à sede do Grupo de Operações Especiais (GOE) / Foto: Divulgação/ Polícia Civil
O ex-vereador e outros quatro presos foram encaminhados à sede do Grupo de Operações Especiais (GOE)
Foto: Divulgação/ Polícia Civil
JC Online
Atualizada às 16h50 do dia 13/08

A 32° Operação de Repressão Qualificada, denominada de ‘Chaminé’, foi  desencadeada na manhã desta sexta-feira (10) com o objetivo de desarticular um grupo criminoso voltado as práticas de corrupção ativa e passiva, fraude em licitação, lavagem de dinheiro, peculato e associação criminosa no município de Paulista, na Região Metropolitana do Recife. Foram cumpridos cinco mandados de prisão e outros 10 de busca e apreensão domiciliar.

Um dos alvos presos foi o ex-presidente da Câmara de Vereadores de Paulista, Iranildo Donicio de Lima. Além dele, um ex-candidato a prefeito de Araçoiaba, uma funcionária da câmara de Paulista, um empresário e um outro suspeito também foram detidos. 

Os mandados foram cumpridos nas cidades de Igarassu, Paulista e Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, além de Araçoiaba, na Zona da Mata Norte.

O esquema, a qual o grupo tinha ligação, consistia em contratar uma empresa de fachada, no ramo de construção, que se aproveitava de reformas e melhorias em prédios públicos de Paulista para fraudar valores.

De acordo com o delegado Diego Pinheiro, que está à frente das investigações, durante o levantamento de fatos foi constatado que esta licitação tinha sido disputada por três empresas, todas de conhecidos do ex-presidente da Câmara. “Ele colocava três empresas na disputa, para dar uma falsa sensação de concorrência, mas já tinha a empresa certa”, relata o delegado.

Além de Iranildo Domício, estavam envolvidos no esquema, Elias Ulisses da Silva, Mauro Monteiro de Melo, José Roberto Lima dos Santos Silva e Lúcia Maria do Nascimento.

Elias é empresário do ramo de construção civil e teria dado o dinheiro ao, na época, presidente da câmara, para que a empresa EUS fosse favorecida. Juntamente com Mauro, conhecido como “Monteirinho”, o empresário falsificava documentos para fraudar as licitações. “Para participar da licitação de construções é necessário ter pelo menos um engenheiro na empresa. Como não tinha, Elias e Monteirinho falsificaram a assinatura e carimbo de um engenheiro”, conta o delegado.

José Roberto, chamado de “Bebeto”, atuava como laranja do ex-vereador. Ele possuía uma empresa de fachada, usada por Iranildo para praticar as fraudes nas licitações. A função de Lúcia Maria era lavar o dinheiro público. Ela, que é advogada e ocupava o posto de diretora e membro do conselho de licitação da Câmara dos Vereadores de Paulista, usava a conta bancária pessoal para praticar a corrupção e peculato.



O serviço que deveria ter sido fornecido pela empresa E.U.S era o de construção, reparos, pintura e outros ajustes que a casa precisava. Porém, apenas uma pequena parte foi feita. “É possível que o dinheiro que seria usada para esta obra tenha sido desviado para benefício da quadrilha”, destaca Diego Pinheiro.

Ainda segundo o delegado, no dia da busca na casa de Elias, ele estava com dois documentos falsos prontos para serem entregues como apresentação e proposta em licitações nos municípios de Camaragibe e São Lourenço da Mata. A empresa que seria de construção civil, funcionava em uma pequena sala de um depósito de água, que pertence ao filho do empresário.

Em três meses circularam mais de R$ 400 mil na conta de Maria Lúcia, que era desviado da prefeitura como se fosse usado para a obra, e depois divididos entre os comparsas. Ao todo foram R$ 700 mil roubados. “Eles negam tudo. Apesar de termos comprovantes, extratos bancários da conta e de toda movimentação do dinheiro, eles negam a corrupção”, diz o delegado. No dia 9 de janeiro foi feita a transferência da conta de Maria Lúcia para o ex-vereador o valor de R$ 136 mil.

Os cinco responderão por associação criminosa, corrupção ativa e passiva, fraude em licitação, uso de documentos falsos, peculato e lavagem de dinheiro. Com eles foram apreendidos talões de notas, contratos sociais, vários documentos falsificados, 20 aparelhos celulares, 13 pendrives e um carro, de modelo Land Rover. A polícia ainda recolheu duas CPU’s e um notebook, onde deve constar mais provas contra a quadrilha.

Investigação

As ações do grupo, que funcionou de 2013 a 2015, já vinham sendo investigadas desde abril deste ano. Foram apreendidos pen drives, pastas e computadores.

Os mandados foram expedidos pela Vara Criminal da Comarca de Paulista. A operação envolveu cerca de 70 policiais, sendo coordenada pela Diretoria Integrada Metropolitana (DIM) e supervisionada pela Polícia Civil.

Todos os presos, juntamente com o material apreendido, foram encaminhados para sede do Grupo de Operações Especiais (GOE), localizado no Cordeiro. 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM