Jornal do Commercio
Demissões

Casa de Farinha anuncia demissão de 1,3 mil funcionários

A empresa afirmou que 'demissões tornaram-se inevitáveis'

Publicado em 11/01/2019, às 13h17

A determinação da magistrada foi mantida em pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) / Foto: Divulgação
A determinação da magistrada foi mantida em pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE)
Foto: Divulgação
Amanda Miranda
Blog do Jamildo

Alvo de investigações, a Casa de Farinha anunciou nesta sexta-feira (11) que vai demitir mais de 1,3 mil funcionários. Hoje, há 2,3 mil trabalhadores. A empresa ligou a decisão à medida tomada pela juíza Idiara Bueno Aires, de Ipojuca, que a proibiu de participar de novas licitações por ser acusada de promover práticas ilícitas para vencer concorrências em vários municípios.

A determinação da magistrada foi mantida em pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE).

De acordo com a Casa de Farinha, os desligamentos podem comprometer a volta do fornecimento de merenda escolar, a menos de um mês do reinício das aulas. Na Prefeitura do Recife, segundo a empresa, 150 mil alunos podem ser afetados. Pode ser interrompido ainda o fornecimento de refeições para o Hospital dos Servidores do Estado

A Casa de Farinha afirmou que "demissões tornaram-se inevitáveis".

"A empresa julga grave a decisão da juíza que, sem provas, compromete a alimentação de mais de 300 mil pessoas por dia e a renda de mais de 6.000 famílias envolvidas direta e indiretamente. A empresa afirma que haverá outras demissões", afirmou a Casa de Farinha em nota.



Nas justificativas da decisão, tomada a pedido do Ministério Público, a juíza explica que os órgãos de investigação relataram que os sócios da empresa haviam deixado de usar a razão social nas licitações e agora estariam usando a razão social Plural. Também é relatado que um dos sócios das empresas chamadas para supostamemte dar cobertura nas licitações teria relatado que sentia a vida sob ameaça.

Investigações

O Tribunal de Contas do Estado (TCE) abriu uma auditoria nos contratos sem licitação da Casa de Farinha com o Governo de Pernambuco para o fornecimento de alimentação hospitalar ao Hospital dos Servidores do Estado. Desde 2015, a contratação foi por dispensa de licitação.

A Casa de Farinha esteve ainda no foco de investigações nas operações Ratatouille e Castelo de Farinha, que apuraram supostas irregularidades em contratos para a merenda escolar nos municípios do Cabo de Santo Agostinho e de Ipojuca, na Região Metropolitana do Recife. Além disso, foi alvo de um alerta do Tribunal de Contas para que a empresa fosse substituída pela Prefeitura do Recife. Houva ainda uma denúncia da deputada estadual Priscila Krause (DEM) sobre contratos na cidade.


Palavras-chave

Recomendados para você




Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Segunda chance - Caminhos para ressocializar Segunda chance - Caminhos para ressocializar
Eles saem das prisões, mas as prisões não saem deles. Perseguem-nos até o final de suas vidas. Como uma condenação perpétua. Pena. Eles lamentam. Mas precisam seguir. E neste difícil caminho da ressocialização, o trabalho é uma espécie de absolvição.
Papai Noel o ano inteiro Papai Noel o ano inteiro
As luzes na cidade anunciam que o Natal já chegou. É nesta época do ano que o espírito natalino faz aflorar alguns dos sentimentos mais nobres. Agora iremos contar histórias de pessoas, organizações e empresas que fizeram da solidariedade missão de vida
Vida fit todo dia Vida fit todo dia
Apesar de a abertura do Verão no Brasil só acontecer em dezembro, no Nordeste há uma antecipação da data. Por esse motivo, que tal aproveitar esses meses de energia para cultivar bons hábitos e mudar o estilo de vida? Veja várias dicas de como se cuidar

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM