Jornal do Commercio
Notícia
Economia

Mesmo com reformas, economia não decola nos municípios

Cidades pernambucanas não sentiram significativamente efeitos de reformas como a trabalhista, por exemplo

Publicado em 01/09/2019, às 07h22

Após a posse de Bolsonaro, a expectativa pela melhoria das contas dos municípios voltou a reacender com a expectativa de aprovação da reforma da Previdência / Foto: Instagram/@jairmessiasbolsonaro/Reprodução
Após a posse de Bolsonaro, a expectativa pela melhoria das contas dos municípios voltou a reacender com a expectativa de aprovação da reforma da Previdência
Foto: Instagram/@jairmessiasbolsonaro/Reprodução
ANNA TENÓRIO E RENATA MONTEIRO

Com a economia brasileira andando a passos lentos desde a segunda passagem da presidente Dilma Rousseff (PT) pelo Palácio do Planalto, a esperança de uma recuperação do setor acabou sendo atrelada, no período Michel Temer (MDB), a uma agenda de reformas que deveria ser tocada pelo Congresso Nacional. As movimentações articuladas pelos parlamentares até o momento, no entanto, geraram pouca ou nenhuma reação das finanças dos municípios pernambucanos e colocam em dúvida a efetividade, para estes entes federados, dos projetos que ainda estão em debate nas Casas Legislativas.

Quando conquistou a aprovação da reforma trabalhista em 2017, por exemplo, o então ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira, chegou a afirmar que a nova lei criaria 2 milhões de vagas em 2018 e 2019, num momento em que Pernambuco possuía uma taxa de desocupação de 17,6%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2018, porém, o Estado fechou o quarto trimestre com 15,5% de pessoas sem emprego e, até o terceiro trimestre de 2019, possuía 16% de desempregados.

O prefeito do Recife, Geraldo Julio (PSB), classificou como um “fiasco” a reforma trabalhista implementada por Temer. “A gente não viu no Brasil geração de emprego por conta dessa reforma. A gente viu retirada de direito do trabalhador. Para nós, o impacto do ponto de vista social é negativo, porque a promessa de geração de empregos não aconteceu”, disse o socialista.

Após a posse do presidente Jair Bolsonaro (PSL), a expectativa pela melhoria das contas dos municípios voltou a reacender com a expectativa de aprovação da reforma da Previdência. Conforme levantamento realizado pelo Valor Econômico com base em dados da Secretaria Especial de Previdência Social e da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), se não realizarem mudanças nos seus sistemas de aposentadorias e pensões, as cidades brasileiras gastarão com o setor cerca de R$ 170 bilhões nos próximos 10 anos.



De janeiro a agosto deste ano, entre negociações e disputas eleitorais, a Câmara dos Deputados decidiu retirar Estados e municípios da reforma previdenciária e estuda incluí-los nas modificações através de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) paralela. Luciano Duque (PT), prefeito de Serra Talhada, disse acreditar na importância da realização de reformas para impulsionar a recuperação econômica do País, porém ressalta que elas, sozinhas, não têm o poder de equilibrar as finanças do Brasil.

“Bolsonaro conseguiu resolver a questão do regime geral da Previdência, mas para Estados e municípios, não. Eu creio que se essa reforma nos atender, nós vamos ter um horizonte melhor. Também é preciso que o governo seja mais proativo na economia, pois não há, até agora, nenhuma medida proposta por ele para combater o desemprego ou melhorar a economia”, opinou Duque.

REFORMA TRIBUTÁRIA

Na avaliação do economista Jorge Jatobá, é de fundamental importância que servidores estaduais e municipais sejam incluídos na reforma da Previdência, mas o especialista destaca que a reestruturação que trará impactos mais palpáveis para as cidades brasileiras será a tributária. “A reforma tributária implica na repactuação federativa. Haverá consequências sobre Estados, municípios, União. Hoje, por exemplo, o município tem 6% da receita (da União). As entidades que representam esses entes em âmbito nacional propõem que, com a reforma, esse percentual suba para 14%. A questão é que, se os municípios ganham esses 8%, alguém vai ter que perder, seja a União, o Estado, ou os dois”, explicou Jatobá.

Sobre os desencontros entre as ações orquestradas pelo governo federal e os frutos colhidos pelas cidades pernambucanas, a cientista política Priscila Lapa, da Faculdade de Ciências Humanas de Olinda (Facho), destacou a desarticulação entre as agendas dos entes da Federação. “Uma coisa que fica evidente nesses quase nove meses de governo Bolsonaro é que existe uma falta de conexão entre as agendas dos municípios, Estados e União. A dos Estados até está mais conectada com a dos municípios, mas estes últimos têm seu rol de preocupações próprias. Pelo que percebemos, a forma de enfrentar os desafios está desarticulada e, por isso, esses gargalos são criados”, cravou a docente.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM
'; status++; } } else { status = 0; document.getElementById("aovivo").style.display = "none"; } setTimeout(function() { aovivo(); }, 180000); })();