Jornal do Commercio
Notícia
Repercussão

Luciana Santos diz que presunção de inocência foi reposta no País após decisão do STF

Vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos comentou decisão do STF

Publicado em 08/11/2019, às 00h08

Luciana Santos comentou decisão do STF /  Felipe Ribeiro / JC Imagem
Luciana Santos comentou decisão do STF
Felipe Ribeiro / JC Imagem
Leonardo Spinelli
política@jc.com.br

A vice-governadora de Pernambuco, Luciana Santos (PCdoB) afirmou na noite desta quinta-feira (8) que a decisão do STF que derruba a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância é importante. “Hoje a mais revolucionária ideia do Brasil é defender a institucionalidade, o estado democrático de direito. Lá atrás quando foi tomada a decisão (pela prisão em segunda instância) ela foi casuística e fora da Constituição. Agora  é reposta a presunção de inocência, a legítima defesa. Até porque as ameaças são grandes. Essa semana se tentou prender Dilma que nem investigada é. Vivemos tempos tenebrosos, de ataque à democracia.”

Luciana Santos estava em São Paulo na noite de quinta-feira (7) na reunião da direção do PCdoB e afirmou que não participará da festa organizada pelo PT quando Lula for solto da carceragem da PF onde está preso em Curitiba.

 

 

Após a decisão da corte suprema, o presidente do STF Dias Toffoli, disse em uma rápida entrevista à imprensa que o Congresso Nacional tem autonomia para alterar o marco para o início da execução da pena. Sobre essa questão a vice-governadora de Pernambuco se disse contrária. Ela é contra a mudança na Constituição que poderia permitir a prisão em segunda instância. 



CONSTITUIÇÃO

“Temos a terceira população carcerária do planeta. Demos saltos civilizacionais, marcos legais no debate democrático de 88. Temos que barrar o arbítrio. Nesse ritmo que vamos no Brasil, precisamos de garantias legais que protejam o cidadão. É incorreta a decisão de (prender em) segunda instância. A constituição tem que ficar como está,  é fruto de muito debate de garantias da Constituição Cidadã de 88. É fruto de amplo debate democrático e de convergência do mundo jurídico e da necessidade de termos base legal.” 

A vice-governadora disse não concordar com o entendimento de que permitir a prisão só após o trânsito em julgado do processo beneficia apenas os mais ricos, que podem pagar advogados para protelar a execução da pena. “Eu acho o contrário. (O entendimento da prisão só após o trânsito em julgado) É exatamente para as pessoas que não têm recursos  conseguirem mais tempo de mover os agentes públicos de defensoria para se defender. Fora os flagrantes, que não têm prisão em segunda instância, todas as medidas cautelares, nada disso está nessa decisão. Precisamos desmistificar isso.” 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM