Jornal do Commercio
Artigo
Pinga-fogo

Igor Maciel: Bolsonaro conhece pouco ou quase nada sobre os Estados Unidos

O 'amor' de Bolsonaro não deve ajudar muito na luta para evitar a taxação dos EUA sobre o aço brasileiro

Publicado em 02/12/2019, às 16h19

'Trump é um negociante de primeira que não acumulou a própria fortuna sendo bobo' / Imagem: Pixabay
'Trump é um negociante de primeira que não acumulou a própria fortuna sendo bobo'
Imagem: Pixabay
Igor Maciel, da coluna Pinga Fogo

Igor Maciel, da coluna Pinga Fogo*

Em 2010, em uma viagem pela Inglaterra, presenciei uma cena, no mínimo inusitada, em uma casa de câmbio. Duas jovens norte-americanas tentavam comprar Libra Esterlina usando o Dólar. Ao descobrirem que a moeda britânica era mais cara do que a dos EUA, ficaram surpresas. Ao receberem o valor após o câmbio, se revoltaram. Em voz alta, reclamavam não ser possível que a moeda delas valesse menos do que a Libra. As duas adolescentes acharam que estavam sendo enganadas. É sempre curioso quando aspectos de uma cultura se confrontam com a realidade.

O atendente na casa de câmbio se manteve entre o ar de riso e a surpresa com a reação. Elas trocaram o valor e foram embora. Retire da equação a ignorância das jovens sobre a valorização histórica da moeda inglesa e o que sobra é o sentimento que todo americano tem, ampliado pela educação local, de uma superioridade nata e nem um pouco solidária. O ditado diz que é preciso conhecer os inimigos melhor que os amigos. Essa frase só faz sentido se você for perspicaz o suficiente para conhecer bem os amigos antes. Bolsonaro conhece pouco ou quase nada sobre os EUA. Isso é perigoso na medida em que nem mesmo a natureza básica do "amado" Trump o presidente brasileiro entende.



Leia mais comentários de Igor Maciel:

Consórcio Nordeste decretou trégua com governo federal

Governo de Pernambuco correndo para fechar as contas

Ciro Gomes deve saber de coisas que ninguém sabe ou está só torcendo que o país dê errado

No Recife, Lula acena para Marília Arraes e João Campos

Em discurso, Lula chamou mais atenção pelo que não disse do que pelo que disse

O lema do governo de lá é "América First", nada mais óbvio. Trump é um negociante de primeira que não acumulou a própria fortuna sendo bobo. Ele não faz nada sem alguma intenção posterior e a margem de manobra dessas negociações costuma ser tão curta quanto a paciência dos americanos com qualquer benefício que não seja direcionado a eles próprios. O protecionismo econômico por lá tem o efeito populista de um Bolsa Família brasileiro. Pressionar outros países enquanto se reafirma a hegemonia norte-americana equivale a, no Brasil, dizer que "agora o pobre pode comprar TV e andar de avião". Pensando bem no tipo de populismo que melhor alcança os norte-americanos, pode-se concluir, até jocosamente, que Bolsonaro "ama" uma versão estrangeira de Lula.

Trump enfrenta um processo de impeachment enquanto se prepara pra uma eleição. O "amor" de Bolsonaro não deve ajudar muito contra isso, na luta para evitar a taxação do aço brasileiro. Mesmo que consiga algo, é importante ler a letras pequenas. Trump já espera que Brasil e Argentina corram para tentar resolver a situação e certamente já os espera com alguma nova ideia. Em um acordo com os EUA, um lado sempre vai se beneficiar mais e não será o Brasil nem a Argentina. Difícil é saber se Bolsonaro vai ser capaz de ir além da paixão nessa conversa.

*Igor Maciel é titular da coluna Pinga Fogo, no Jornal do Commercio




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM