Jornal do Commercio
Notícia
Previdência

Paulo Câmara defende sua proposta da reforma da Previdência

O déficit previdenciário de Pernambuco, atualmente, está em cerca de R$ 2,6 bilhões

Publicado em 03/12/2019, às 16h19

Foi a primeira vez que Paulo Câmara se manifestou publicamente sobre a reforma da Previdência de Pernambuco / Fotos: Hélia Scheppa/SEI
Foi a primeira vez que Paulo Câmara se manifestou publicamente sobre a reforma da Previdência de Pernambuco
Fotos: Hélia Scheppa/SEI
Gabriela Carvalho
alima@jc.com.br

Em solenidade para apresentar a ampliação da rede estadual de ensino de Pernambuco, na manhã dessa terça-feira (3), o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), pela primeira vez, se posicionou sobre o Projeto de Lei Complementar nº 830/2019, que modifica as regras previdenciárias dos servidores públicos estaduais. Para o governador, a adequação à Emenda Constitucional nº 103/2019, do governo federal, foi necessária para que Pernambuco não perdesse o certificado previdenciário.

“Precisamos nos adequar nessa questão da alíquota de 14% e do regime próprio para os novos servidores que forem ingressar. Se o Estado não se adequar, ele fica sem o certificado previdenciário e isso pode impedir de que receba transferências voluntarias, emendas, convênios e operações de crédito”, explicou.



De acordo com o texto enviado à Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), a alíquota de contribuição previdenciária dos servidores do Estado passará de 13,5% para 14%. A proposta também eleva a contribuição do Estado de 27% para 28%. Além disso, o governo propôs a criação de um sistema de capitalização, através do Fundo de Aposentadorias e Pensões dos Servidores do Estado de Pernambuco (Funaprev). Com ele, a aposentadoria dos servidores fica atrelada ao teto do INSS, hoje em R$ 5.839,45.

O déficit previdenciário de Pernambuco, atualmente, está em cerca de R$ 2,6 bilhões.

PEC paralela 

A respeito da PEC paralela, em tramitação na Câmara dos Deputados, em Brasília, que, entre outros pontos, inclui Estados e municípios na reforma da Previdência do governo federal, o governador Paulo Câmara acredita que a votação não deve ocorrer ainda este ano. “A PEC paralela apresentou uma formatação no Senado, mas está sendo discutida na Câmara e não tem previsão de aprovação esse ano. Isso é uma discussão que vai ficar para 2020”, concluiu.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM