Jornal do Commercio
Notícia
EDUCAÇÃO

Paulo Câmara critica ''ausência total de planejamento'' do Ministério da Educação de Bolsonaro

O governador de Pernambuco cobra prioridade na educação do País

Publicado em 12/02/2020, às 11h29

Paulo Câmara (PSB) faz oposição ao governo Bolsonaro / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Paulo Câmara (PSB) faz oposição ao governo Bolsonaro
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Cássio Oliveira

Atualizada às 15h47

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), sente falta de planejamento do Ministério da Educação (MEC), pasta que está sob o comando do ministro Abraham Weintraub. Após a abertura da primeira reunião ordinária do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), nesta quarta-feira (12), no Cabo de Santo Agostinho, Paulo disse que a falta de planejamento pode prejudicar o futuro dos jovens no País.

"A gente vê no caso do MEC uma ausência total de planejamento, qual é o planejamento para 2020? Qual o planejamento dos próximos cinco anos, dos próximos dez anos? A educação é uma coisa que tem que se planejar décadas para a frente. O exemplo de Pernambuco é claro nisso. Quando a gente vê lá atrás, ainda no governo Eduardo (Campos), que se priorizou a expansão da rede de escolas de tempo integral, priorizou a gestão a melhoria do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), dos indicadores, conseguimos resultados satisfatórios em dez anos, mas foram dez anos. Então, se não tiver planejamento, fica muito difícil termos a educação que o nosso País precisa e o MEC está falhando nisso, a ausência de planejamento pode prejudicar muito o futuro da educação dos nossos jovens", comentou Paulo Câmara.

Veja também: Durante reunião, Paulo Câmara confronta Guedes sobre ICMS dos combustíveis

Veja também: ''Não escrevi, mas li e deixei passar'', disse o ministro da Educação sobre erro ortográfico

O evento desta quarta-feira reuniu secretários estaduais de Educação de todo o país para retomar o debate de temas que preocupam as redes estaduais, principalmente  Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), que só valerá até 31 de dezembro deste ano.

Na visão de Paulo Câmara, o Congresso terá dificuldade de andar com a pauta caso deixe para o segundo semestre, já que este é um ano eleitoral. "O Fundeb preocupa, pois temos 2020 para aprovar uma legislação, num ano eleitoral, evidentemente num primeiro semestre de muito trabalho no Congresso e um segundo semestre em que a questão do quórum fica mais complicada. Foi colocado isso no Fórum dos Governadores, a necessidade de priorizar esse primeiro semestre para fechar essas questões ainda em aberto. Espero a compreensão de todos para a importância de ter essa legislação aprovada e dar governança necessária para os próximos anos, para as próximas décadas e corrigindo ou aprimorando aquilo que precisa ser aprimorado, principalmente na questão dos recursos, do financiamento", afirmou o socialista.



Abraham Weintraub

Em audiência no Senado Federal nessa terça-feira (11), senadores questionaram o ministro da Educação, Abraham Weintraub, sobre a posição da pasta em relação ao Fundeb, que é a principal fonte de financiamento da educação básica no Brasil. Em resposta, o ministro reafirmou que o governo enviará ao Congresso uma proposta própria que seja "fiscalmente responsável".

"Para melhorar o diálogo, nós vamos enviar agora um projeto nosso, porque eu tenho receio de que a proposta não avance como gostaríamos. Estamos enviando uma PEC também do governo sobre o novo Fundeb. Eu acho importante, mas o novo Fundeb tem de ter aspectos técnicos, ser fiscalmente responsável. Ele tem de ter alguns detalhes que eu acho que, ao longo do ano, nós vamos poder debater mais a fundo. Mas a nossa intenção é melhorar o diálogo. Como não estava fluindo como a gente imaginou várias vezes, a gente está tomando essa iniciativa", disse Weintraub.

A Câmara dos Deputados e o Senado debatem propostas para tornar permanente essa fonte de recursos. Também analisam a possibilidade de aumentar a participação da União com mais investimento de verbas federais para manter o funcionamento de creches, educação infantil, ensinos fundamental e médio e educação de jovens e adultos nos estados e municípios. Três propostas de emenda à Constituição estão em análise no Congresso (PECs 15/2015, 33/2019 e 65/2019).

Resposta

Questionado pelo JC sobre as declarações do governador, o secretário de Educação Básica do Ministério da Educação (MEC), Janio Macedo, também presente na reunião do Consed, disse que preferia não se pronunciar. 




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM