Jornal do Commercio
PREPARO

Receitas que vêm do panetone

Para fazer diferente no ano-novo, o chef Thiago Freitas ensina preparações simples, mas consistentes, com o pão mais cobiçado desta época do ano

Publicado em 28/12/2012, às 15h41

Entre as dicas de Thiago Freitas, está o brioche de panetone com pernil  / Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Entre as dicas de Thiago Freitas, está o brioche de panetone com pernil
Ricardo B. Labastier/JC Imagem
Bruno Albertim

Que nos perdoem os neologismos: mas, além do chef de criatividade indomável e, agora, mestre pâtissier que é, Thiago Freitas é um “panetófilo” (ou “‘panetólatra”’) inveterado. Sim, o mesmo cozinheiro que também incursiona por comida saudável e de baixa caloria (como vimos no texto de capa desta edição) é um adicto do doce mais simbólico do Natal. “Desde criança, sou completamente doido por panetones. Como de qualquer jeito. Gosto do tipo tradicional, pela manhã, para assar com manteiga e comer com fatias de queijo do reino”, conta.

Foi com muita facilidade e familiaridade, portanto, que ele aceitou a missão de passear por entre as gôndolas de um dos supermercados da rede Pão de Açúcar no Recife para garimpar produtos para receitas usando o pão adocicado como ingrediente principal. “O panetone é um pão muito versátil, que serve tanto para receitas doces quanto salgadas.”

A escolha da rede não foi aleatória: diariamente, as lojas confeccionam, quase artesanalmente, não apenas a receita mais clássica, mas inovações do pão em sabores doces e salgados, como bacalhau, escarola, brigadeiro com avelãs e doce de leite com nozes. Uma prova de que todo clássico é também um contemporâneo.

Para a receita salgada, por exemplo, o chef usou o pernil de porco tão procurado nesta época. Grelhado com sal e pimenta, um medalhão suíno é servido com molho agridoce (aparas de porco, vinhos tinto e branco, shoyu e açúcar, entre outros) e panetone de linguiça cortado e assado com manteiga como um brioche. “Uso vinho branco e tinto para suavizar o molho. Se for o tinto, fica forte”, diz ele. O shoyu e o açúcar usados caramelizam levemente a mistura, evidenciando o doce que potencializa a carne de porco.

Ampliar a cartela de doces a partir do panetone pode parecer mais óbvio. Mas não é mais simples. O chef recorre ao bicarbonato de sódio, por exemplo, para dar consistência aerada a um simples caramelo de açúcar que servirá para envolver e unir pequenos eclairs na fôrma do cone de uma árvore de Natal montada sobre um panetone na base.



“Para isso, escolhi o de chocolate e avelã porque é doce, infantil, bem natalino mesmo”, explica. Ao fogo, manteiga e açúcar são derretidos em água. Depois, recebe a farinha de trigo, que deve ser trabalhada até virar uma massa. “Apenas quando esfriar, acrescento os ovos. Se botar antes, eles cozinham com a massa”, explica.

Sobre uma tábua de assar, a massa é disposta em formatos de diminutas semiesferas. Depois de assadas, elas serão envolvidas com o caramelo. “É só açúcar. Mas, quando estiver um pouco antes do ponto de tirar do fogo, acrescentamos o bicarbonato, que faz uma reação química capaz de aerá-lo”, diz.

A terceira fórmula é ainda mais natalina: transformar o panetone em rabanadas. Cortadas em retângulos similares, as fatias são recheadas, como um sanduíche, com ganache de chocolate branco e amêndoas, antes de serem empanadas e fritas em óleo muito quente.

“Um coulis de cerejas e sorvete de creme são bons acompanhamentos”, diz ele, ampliando as possibilidades para este pão natalino que, diz a lenda, teria surgido em Milão no século 17 e de lá se espalhado pelo mundo. Segundo a crônica, um jovem aristocrata chamado Tony driblou o preconceito da família oferecendo a receita a um padeiro humilde para que, assim, ele conseguisse financiar as bodas da filha com o próprio Tony. É, realmente, um pão que encanta várias classes sociais.

Palavras-chave




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM