Jornal do Commercio
Caçarolas

O Bode Dourado já não berra mais

Restaurante decano leva consigo um pedaço do Recife

Publicado em 05/04/2013, às 11h00

Restaurante há anos atraía a boemia recifense para as imediações do Mercado da Encruzilhada / Bernardo Soares/JC Imagem
Restaurante há anos atraía a boemia recifense para as imediações do Mercado da Encruzilhada
Bernardo Soares/JC Imagem
Bruno Albertim

Foi um furo danado. Daqueles. Mais que jornalístico, um furo sentimental. Só descobri quando, ontem, li o blog do compatriota Xico Sá na Folha de S.Paulo. O homem que emoldurou a jaca, nosso arguto menestrel das caatingas, urbanas e sentimentais, anunciou: "É com pesar que escrevo sobre o fim do Bode Dourado, também conhecido como O Cabeça Branca, ponto de encontro de velhos amigos & novos amores na Encruzilhada, o jardim dos caminhos que se bifurcam no Recife ou Hellcife – só para lembrar que nesse caso o inferno são os especuladores imobiliários mesmo!"

Xico, meu caro, não posso fazer outra coisa, além de abortar uma meia lágrima e meia, e subscrever suas palavras: "Quando um bar, um bar-restaurante, um cabaré gostosinho, um banco de praça, uma esquina qualquer desaparece, não deixa de ser uma tentativa de fazer uma queima de arquivo".

Quando a cidade desaparece, morremos todos um pouco. O bar, o botequim, tanto quanto a porta da igreja e a praça, cada vez mais exígua, são a extensão da casa. A continuação do lar. Onde sabemos do futebol, maldizemos a política, projetamos filmes que nunca filmaremos. Onde construímos afetividades eletivas e coletivas.



No Rio, a prefeitura apoia a edição de um guia listando, incentivando e patrimonializando os botequins com a alma carioca. Paris tem lá seus mecanismos para manter seus bistrôs. Portugal tem devoção por suas tascas. Que me perdoem os evolucionistas, mas o Recife verticalizado que fecha restaurantes decanos e empurra para os subúrbios a gente dos bairros cada vez mais nobres, é ingrato com casas como o Bode Dourado que ajudaram a dar áurea à cidade.

O Bode Dourado vai fazer falta. E não só porque ali se comia o contraste em perfeição, aquele bode incrivelmente crocante por fora e macio por dentro. Mas porque, debaixo daquela marquise dos anos 50, na frente do Mercado da Encruzilhada, o Recife parecia se parecer mais consigo.

Devia haver alguma lei proibindo que José Edvaldo Mota, o figurão Cabeça Branca, fechasse as portas. Não há. Diana Moura vai ter que encontrar outro lugar para comer o "melhor sarapatel de bode do mundo". Meus sentimentos, João Valadares. Não tem mais bode. E o Recife vai deixando de ser a cidade que um dia parecia eterna.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.
Especial Tempo de Férias Especial Tempo de Férias
O tempo das férias finalmente chegou e com ele os vários planos sobre o que fazer no período livre. O JC traz algumas dicas de como otimizar o período para voltar renovado do merecido descanso.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM