Jornal do Commercio
História

Projeto resgata acervo da Santa Casa de Misericórdia do Recife

Trabalho é desenvolvido de forma conjunta entre a entidade secular e a Universidade Católica de Pernambuco

Publicado em 19/04/2015, às 08h08

Tiago César está organizando o acervo da Santa Casa de Misericórdia do Recife / Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Tiago César está organizando o acervo da Santa Casa de Misericórdia do Recife
Foto: Bobby Fabisak/JC Imagem
Cleide Alves

Quando chegou ao Recife, em 2013, o historiador gaúcho Tiago da Silva César começou uma busca pelos arquivos da Santa Casa de Misericórdia. Pergunta daqui, pergunta dali, acabou encontrando a papelada na sede da entidade, em Santo Amaro, área central da cidade. “É uma das coleções documentais mais completas do Brasil sobre instituições assistenciais, educativas e hospitalares”, afirma Tiago.

O registro mais antigo é de 1767, sobre as propriedades da extinta Santa Casa de Misericórdia de Olinda. Porém, o acervo mais consistente, na avaliação do pesquisador, remonta ao século 19: fichas de pacientes atendidos nos hospitais administrados pela instituição, livros de entrada e saída dos enfermos e certidões de morte.

Nos atestados de óbito há informações sobre a cor do paciente, estado civil, filiação, profissão, naturalidade, endereço residencial e por quanto tempo a pessoa esteve doente. Antônio dos Santos, jornaleiro de 18 anos de idade, por exemplo, morreu de epitelioma espinocelular (tumor maligno de pele) em 25 de dezembro de 1934. O rapaz, de cor branca e morador de Glória de Goitá, na Zona da Mata, passou dois anos hospitalizado.

Agricultor em Catende, também na Zona da Mata, José Manoel de Lima era pardo e tinha 19 anos quando morreu de verminose e nefrite, em 27 de dezembro de 1934, no Asilo de Mendicidade, uma enfermaria criada pela Santa Casa para acolher os mendigos. “Os documentos contam a história da medicina e das enfermidades, as coleções estão completas, ano a ano”, diz Tiago César, professor do Centro de Teologia e Ciências Humanas da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap).

O acervo permite outras vertentes de pesquisa, como acompanhar os passos de africanos pobres atendidos pela entidade ou que desempenhavam funções na Santa Casa, adianta o historiador. É possível saber, também, quem eram as pessoas que doavam bens à instituição. “Todas as doações, contas e despesas eram anotadas, é um acervo riquíssimo.” Mais de 50% da papelada é composta de manuscritos, das diferentes áreas e departamentos da entidade.



Toda essa riqueza histórica estava guardada em condições precárias. Na tentativa de descobrir o destino do material, Tiago lançou um desafio a seus alunos da disciplina paleografia e pesquisa histórica, em 2013. Eles teriam de se dividir em grupos e visitar os arquivos da cidade. Quem encontrasse o acervo ganharia pontos na nota.

Com uma mãozinha da irmã, que à época trabalhava no Hospital de Santo Amaro, da Santa Casa, a estudante Valeska Ferreira achou o tesouro e venceu o desafio. Ela se deparou com os papéis jogados pelo chão, em salas, sem nenhum tipo de ordenamento.

Em 2014, a entidade assinou convênio com a Unicap e desde então Tiago César coordena o projeto Resgate do acervo documental da Santa Casa de Misericórdia do Recife, com as estudantes Valeska Ferreira e Adriana Firmino. O trabalho prevê limpeza, higienização e classificação, antes de abrir o arquivo histórico ao público, possivelmente no fim de 2016.

“Por enquanto, estamos salvando os documentos da situação de risco, numa ação emergencial, não temos nem como saber a quantidade ainda”, declara o professor. Em sacos plásticos, o acervo foi transferido para o Convento Santa Tereza (Olinda), vinculado à Santa Casa, onde passa por limpeza e é acondicionado da forma correta.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM