Jornal do Commercio
Empreendedorismo

Jovens executivos elencam dificuldades das startups

Antes de embarcar numa ideia é preciso pesquisar e planejar, avisou o quinteto de palestrantes

Publicado em 19/07/2013, às 13h51

Igor Gomes

Como em qualquer empreendimento, o dia a dia de uma startup não é fácil. Foi extamente isso que quatro jovens executivos tentaram mostrar no início da tarde desta sexta (19) ao público da Campus Party. "Para começar não é preciso entregar um produto pronto. Deve-se ver a demanda do mercado e então criar a solução. Mas quando você tem a solução e a empresa se estrutura, questões administrativas, tributárias e humanas são muito complexas e demandam esforço de aprendizado", afirmou o CEO do Eventick, Thiago Diniz.

Além de Diniz, participaram da discussão Eduardo Maciel (mediador), coordenador de eventos de moda na América Latina; Marcel Caraciollo, cientista-Chefe da startup rede social educacional Atepassar.com; Bruno Iglesias, da Mobipass (empresa que gerencia um aplicativo homônimo, que permite pagar a conta da balada sem enfrentar filas); e Bruno Encarnação, da Sodet.

Todos foram unânimes em elencar as dificuldades de pessoal para s abrir uma startup. Para eles, o mais complicado é fazer o funcionário comprar a ideia da empresa. "Não tem como. Ou você acha a pessoa ou não acha. E há outras questões. Às vezes se acha, por exemplo, um programador capaz mas que não cumpre os prazos. É uma busca constante", disse Bruno Encarnação.



Thiago Diniz, que teve outras duas empresas antes de embarcar no Eventick, pontuou a necessidade de se planejar para empreender. "É sempre importante se preparar. Se a pessoa quer ter seu próprio negócio, é bom ter um dinheiro guardado para poder se dedicar à empresa. Caso não seja possível, deve-se trabalhar, pedir apoio à família ou buscar qualquer outra forma", explicou. "O importante é se dedicar e planejar o máximo que puder", acrescentou Bruno Iglesias.

Saber como funciona uma planilha financeira, o dinheiro que entra ou sai do caixa, é essencial. "Essas noções são importantes, mas o essencial é saber que a grana que entra não é sua. Às vezes causa um deslumbramento certos números, mas quem está iniciando deve se lembrar de pagar as contas e os funcionários", ressaltou Bruno Encarnação. 

Eles possuem larga história de dedicação aos negócios. "Sou da parte de programação e tive de estudar tributação, administração, esses temas. É necessário", relata Diniz. "Em uma época da minha vida eu trabalhava em uma empresa, fazia o mestrado e ainda estava desenvolvendo uma startup", diz Bruno Encarnação. "É uma imensa felicidade quando você finalmente consegue abrir sua planilha financeira e ver tudo azul", brinca Caraciollo.





Comentar


Nome E-mail
Comentário
digite o código
Desejo ser notificado de comentários de outros internautas sobre este tópico.

OFERTAS

Especiais JC

Especial educação Especial educação
E se você descobrisse que o futuro ligado às tendências que irão norteá-lo já chegou? O mundo hoje é um mar de oportunidades, para conhecimento, informação e inovação. Cada vez mais o profissional precisa evoluir. Por isso veja o caminho a seguir
A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza A revolução da ciclomobilidade: o exemplo de Fortaleza
A capital cearense, diferentemente da pernambucana – embora nordestina também – deu um salto na infraestrutura viária voltada para as bicicletas. A cidade está repleta de ciclofaixas. Por toda parte. E a grande maioria conectada
Cantos e Recantos Cantos e Recantos
A temporada de sol está nos espreitando, e a Praia de Boa Viagem é sempre uma opção de passeio. Mas que tal ousar um pouquinho na quilometragem e desbravar outros destinos? Pernambuco tem muitos lugares fantásticos e você vai adorar o roteiro que o JC fe

    SIGA-NOS

Jornal do Commercio 2018 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM