Jornal do Commercio
Notícia
toró

Saiba o que fazer se você estiver dirigindo num alagamento

Veja dicas de especialistas para não estragar o veículo e nem correr riscos nos dias de chuva forte

Publicado em 13/06/2019, às 09h28

Avalie bem a situação antes de enfrentar um alagamento / Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
Avalie bem a situação antes de enfrentar um alagamento
Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem
JC Online

A chuva que atinge o Grande Recife desde a última quinta-feira (13) fez ressurgir uma dúvida que todo motorista tem: o que fazer para encarar um alagamento? Qual o nível de água seguro para passar com o carro? O JC escutou especialistas e traz as dicas para você.

>>>Saiba o que fazer ao perder a placa do carro

>>>Quando vale a pena acionar o seguro do carro por conta das chuvas?

Primeiro é preciso entender que os carros atuais, de uma maneira geral, enfrentam melhor as chuvas que os antigos modelos, que eram dotados de sistemas elétricos mais vulneráveis. Antigamente, molhar o distribuidor do motor era o temor de qualquer motorista. Hoje, em tempos de eletrônica, o risco é outro.

“O grande problema de quem precisa enfrentar um dia de chuva é o excesso de confiança”, diz o consultor automotivo Alexandre Costa, da Alpha Consultoria. O especialista lembra que a chuva intensa pode trazer problemas mecânicos sérios, sem falar no risco para a segurança de quem dirige e dos ocupantes do automóvel. Assim, se não for possível deixar o carro em casa nos dias de toró ou se for pego de surpresa em uma enxurrada, o melhor a fazer é observar bem a situação antes de enfrentá-la.



Alexandre Costa diz que o limite seguro para encarar a travessia de uma rua cheia de água é usar como referência a metade da roda do carro. “O nível da água não pode ultrapassar esse limite. Acima disso é correr risco”, afirma o consultor. Mas, se for impossível escapar de um volume de água maior? O segredo então é se esforçar para que o motor do carro não morra no meio da travessia. Para isso, os especialistas recomendam engatar a 1ª ou 2ª marchas (inclusive nos carros automáticos) e manter a aceleração constante. Deve-se evitar a desaceleração ou a troca de marchas durante a travessia para que a água não entre pelo escapamento e faça o motor falhar. E, se o motor morrer, é bom não tentar ligar o veículo. Alexandre Costa diz que tentar fazer o motor pegar pode sugar ainda mais água para dentro do escape, o que torna a partida ainda mais difícil. O jeito é empurrar o carro para fora da área de alagamento e só então acionar o motor.

Dicas:

1 - Observar bem a situação antes de enfrentá-la;

2 - Usar a roda do carro como referência; O nível da água não pode ultrapassar a metade da roda;

3 -  Engatar 1ª marcha e não deixar o motor morrer, mantendo aceleração constante evitando troca de marchas;

4 - Se mesmo assim o motor morrer, não tentar ligar o veículo novamente;

5 - Empurrar o carro para fora da área de alagamento para, então, acionar o motor;


Galeria de imagens

Legenda
Anteriores
Próximas

Entrou água no motor, prejuízo certo

A entrada de água no motor está entre os problemas mais graves que a travessia de um área alagada pode provocar. Ela acontece quando o motorista acelera demais e a água alcança a tomada de ar do motor, fazendo o propulsor “engolir” água. Um dos sintomas que isso aconteceu é o filtro de ar molhado. Outro, mais grave, é o óleo do motor apresentar uma coloração de café com leite. Nesse caso, insistir em rodar neste estado pode levar à quebra de componentes do motor. E um prejuízo que vai de R$ 2 mil a R$ 4 mil em um carro popular, segundo especialistas.




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Reencontros Reencontros
A menina que salvou os livros numa enchente, o garoto que venceu a raiva humana, o médico que superou a pobreza, os albinos de Olinda e o goleiro de uma só perna foram personagens do projeto Reencontros, publicado em todas as plataformas do SJCC
Especial Nova Rotação Especial Nova Rotação
As cidades estão entrando em colapso. Refletem o resultado da mobilidade urbana convencional, um mal incorporado à sociedade e de difícil enfrentamento.Mas o momento de inverter essa lógica é agora. Criar uma nova rotação para as cidades, para as pessoas
JC Recall de Marcas 2019 JC Recall de Marcas 2019
Pitú e Vitarella são as marcas mais lembradas pelo consumidor pernambucano, de acordo com a edição 2019 do Prêmio JC Recall de Marcas. O ranking foi feito a partir de levantamento do Harrop Pesquisa para o Jornal do Commercio.

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2019 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM