Jornal do Commercio
Notícia
Imposto

Após liminar barrar redução, DPVAT 2020 já está sendo cobrado pelo mesmo valor de 2019

Seguradora responsável pela retenção do imposto afirmou que o pagamento já pode ser realizado

Publicado em 02/01/2020, às 18h22

DPVAT 2020 está sendo cobrado pelo mesmo valor de 2019, após STF barrar redução / Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem
DPVAT 2020 está sendo cobrado pelo mesmo valor de 2019, após STF barrar redução
Foto: Arnaldo Carvalho/JC Imagem
JC Online

Motoristas e donos de veículos apresentaram dúvidas sobre o pagamento do seguro de Danos Pessoais por Veículo Automotores Terrestres (DPVAT) 2020. Isso porque o governo Federal tentou extinguir e, posteriormente, reduzir o valor do seguro em até 85%, mas foi barrado, nas duas ocasiões, por liminares do Supremo Tribunal Federal (STF). Com esta nova orientação, a Seguradora Líder, responsável pelo programa, já está realizando as cobranças do imposto com os mesmos valores do ano anterior.

Leia mais: DPVAT 2020 tem redução suspensa após STF barrar resolução de Bolsonaro

Procurada pela reportagem do JC, por meio de sua assessoria, a seguradora confirmou que o imposto está sendo cobrado com valores de 2019 e orientou aos condutores a realizarem o pagamento normalmente, pelo site da empresa ou no site do Detran de seu estado. Questionado sobre uma possível reviravolta no caso, a assessoria afirmou que "apenas irá seguir o que está em vigor no momento". Além disso, a empresa afirmou que qualquer mudança deverá ser tratada com o governo Federal.

Na última terça (31), o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Dias Toffoli, suspendeu a resolução do Conselho Nacional de Seguros Privados que reduziu o valor do DPVAT 2020, seguro que cobre despesa com acidentes provocados por veículos terrestres. Na avaliação de Toffoli, o ato normativo do CNSP configuraria um "subterfúgio da administração" para não cumprir a decisão do STF que suspendeu a medida provisória do governo Jair Bolsonaro que dava fim ao Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres.

A decisão foi dada por Toffoli uma vez que cabe ao presidente do Supremo, em regime de plantão, decidir sobre questões urgentes durante o recesso forense, que teve início no último dia 20 e vai até 6 de janeiro. O ministro entendeu que havia necessidade de imediata resposta no caso uma vez que a Resolução nº 378 do CNSP estava prevista para entrar em vigor nesta quarta, 1. O processo, no entanto, está sob relatoria do ministro Alexandre de Moraes.



A liminar foi concedida pelo presidente do Supremo no âmbito de uma reclamação constitucional ajuizada na Corte pela Seguradora Líder, responsável por administrar o Seguro DPVAT em todo o País Na peça inicial, a seguradora alegava que a resolução nº 378 no CNSP constituía "verdadeira retaliação’ à decisão do Supremo sobre o fim do DPVAT uma vez que não só ‘esvaziava’ o seguro, ‘extinguindo-o obliquamente", mas também alcançava as reservas técnicas do consórcio.

Redução do DPVAT

A redução do do DPVAT foi aprovada pelo Conselho Nacional de Seguros Privados no último dia 27. A decisão estabelecia que o valor do seguro, cobrado em cota única no ato de pagamento do IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) e que vigoraria nos próximos anos seria de R$ 5,23 para carros, R$ 10,57 para ônibus e micro ônibus com frete, R$ 5,78 para caminhões e R$ 12,30 motos.

Segundo a Superintendência de Seguros Privados, no caso dos carros e das motos, a redução seria de 68% e 86%, respectivamente, em relação a 2019. Em coletiva, a titular da Susep Solange Vieira afirmou que para reduzir o valor da taxa seria utilizado um excedente acumulado pelo fundo do DPVAT, no total de R$ 5,8 bilhões, que teriam sido resultado de cálculos equivocados do consórcio e atos de corrupção na ponta da cadeia (consumidor).




Os comentários abaixo são de responsabilidade dos respectivos perfis do facebook.

OFERTAS

Especiais JC

Irmã Dulce e as lições que se multiplicam Irmã Dulce e as lições que se multiplicam
A Santa Dulce dos Pobres deixou um legado enorme por todo o país, e não poderia ser diferente em Pernambuco. Veja exemplos de quem segue o "anjo bom da Bahia"
Jackson era grande demais para um pandeiro Jackson era grande demais para um pandeiro
Em pouco tempo, Jackson do Pandeiro deixou claro que não se tratava apenas de uma voz a mais no cenário artístico pernambucano. Confira especial sobre o artista
Especial Novo Clima Especial Novo Clima
O inverno não é mais o mesmo. E nem o verão. Os efeitos da crise climática alteraram a rotina de milhares de cidadãos das grandes cidades. O JC traz reportagens especiais desvendando o "novo clima"

    SIGA-NOS

    LICENCIAMENTO

  • Para solicitação de licenciamento, contactar editores@ne10.com.br

Jornal do Commercio 2020 © Todos os direitos reservados

EXPEDIENTE |

PRIVACIDADE

Sistema Jornal do Commercio Grupo JCPM